12 de Junho de 2014 / às 00:22 / em 3 anos

Estação de VLT sem trens intriga torcedores em Cuiabá

Trabalhador posa com bandeira do Brasil em linha de VLT sendo construída em Cuiabá. 11/6/2014 REUTERS/Eric Gaillard

CUIABÁ (Reuters) - Depois de semanas frenéticas de trabalho no entorno do aeroporto de Cuiabá, o governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, compareceu à inauguração nesta quarta-feira de uma nova e reluzente estação de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), a dois dias do primeiro jogo da Copa do Mundo na cidade.

No entanto, não havia nenhum vagão de VLT à vista, e os trilhos acabam abruptamente em barreiras de concreto. Torcedores que chegavam do Chile de avião se mostravam intrigados com a construção. “Talvez seja uma estação de ônibus?”, murmurou um dos visitantes.

Barbosa disse à Reuters que a intenção nunca foi ter os 23 quilômetros de trilhos prontos para a Copa do Mundo.

Mas para muitos nessa agitada capital agropecuária e no Brasil, o projeto no valor de 1,4 bilhões de reais tornou-se um símbolo da dificuldade do país em organizar o torneio de um mês.

Atrasos na construção de estádios, aeroportos e outros projetos de infraestrutura, assim como um orçamento oficial de 25,8 bilhões de reais foram combustível para as manifestações contra a Copa. Em Cuiabá, no entanto, a sensação é mais de resignação.

“Nós realmente queremos o VLT e a Copa do Mundo nos permitiu pensar que esse sonho poderia se realizar”, disse Silas Augusto, que coordena uma área de recepção aos torcedores no aeroporto.

O projeto do VLT não foi um requisito da Fifa e, de qualquer maneira, muitos torcedores não usariam o novo meio de transporte para circular ou ir às partidas a serem disputadas na recém-inaugurada Arena Pantanal.

“A linha fica 1,8 quilômetros distante do estádio”, disse Eduardo Gomez, um editor de revistas locais. “Não é um projeto para a Copa do Mundo.”

Além disso, disse Gomes, os atrasos na construção fazem parte da organização de um Mundial. De fato, o estádio do Marcanã, no Rio de Janeiro, construído para a Copa de 1950, só foi completamente concluído em 1965.

Mesmo assim, operários trabalharam dia e noite nos últimos dias para terminar a estação do VLT no aeroporto, plantar um gramado e fazer com que o lugar se tornasse apresentável, ainda que não fosse funcionar.

“É um projeto muito complexo que em qualquer outro país poderia levar seis ou oito anos”, disse o governador. “Vamos fazer o nosso em quatro. Está inacabado, mas não está paralisado.”

Enquanto muitos no Brasil podem considerar Cuiabá uma cidade de menor porte, certamente não é um município pobre, sendo a capital do principal Estado produtor de grãos e centro de distribuição da soja brasileira.

Barbosa gosta de dizer que seu Estado “ajuda a alimentar o mundo” e que o VLT, mesmo não terminado, projeta uma imagem de desenvolvimento aos visitantes.

Perguntado quando o projeto do VLT estaria pronto para operar, com 40 vagões importados da Espanha, Barbosa respondeu com um sorriso: “na próxima vez que você vier.”

E enquanto muitos em Cuiabá falam sobre uma possível data de conclusão em 2017, Barbosa promete: “No ano que vem vocês vão poder usar uma boa parte dele.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below