Espanha começa defesa do título mundial vivendo dejá vu contra Holanda

quarta-feira, 11 de junho de 2014 21:32 BRT
 

Por Neil Maidment

SALVADOR (Reuters) - A Espanha vai estar motivada pela lembrança da glória alcançada há quatro anos quando começarem a defesa do título enfrentando a outra seleção finalista em 2010, a Holanda, em Salvador, na sexta-feira, no jogo de abertura do duro Grupo B.

A Espanha, também campeã da Eurocopa em 2008 e 2012, chegou ao Brasil com 16 jogadores que participaram do triunfo na África do Sul, o maior número de atletas mantidos para o Mundial seguinte entre todos os campeões da história, e muitos ainda carregam as cicatrizes do difícil confronto com a Holanda em 2010.

A Espanha dominou a posse de bola em Johanesburgo, resistindo a uma série de entradas duras por um feroz time defensivo holandês, mas os torcedores que comparecerem ao estádio Fonte Nova esperam ver uma partida mais ofensiva por parte do incrível jogo de passes de Xavi, Andrés Iniesta e David Villa, frente ao contra-ataque holandês comandado por Arjen Robben e Robin van Persie.

Desta vez a equipe do técnico Vicente del Bosque vem reforçada pelo prolífico atacante brasileiro Diego Costa e começa a competição entre os favoritos no Brasil, onde podem se tornar o primeiro time europeu a se sagrar campeão nas Américas.

Muito tem sido falado da entrada de Costa, que saiu da pequena Lagarto, em Sergipe, e cuja família vai viajar 350 km até Salvador para vê-lo jogar contra a Holanda. A presença dele entre os titulares da Espanha traz grande potência a uma equipe que muitas vezes jogou sem um típico meia-atacante.

Revelação da última temporada no futebol espanhol, com 36 gols marcados pelo atual campeão Atlético de Madri, Costa reagiu com irritação diante de declarações feitas pelo técnico Luiz Felipe Scolari, de que lhe teria oferecido uma chance de jogar pela seleção brasileira no Mundial, insistindo que o treinador espanhol foi o único a lhe chamar.

Costa vai estar à frente de uma escalação pouco familiar em Salvador, com Cesar Azpilicueta, Sergio Ramos, Gerard Piqué e Jordi Alba na defesa do goleiro Iker Casillas, e um meio-campo dinâmico com Xabi Alonso, Sergio Busquets, Silva, Xavi e Iniesta dando suporte para Costa furar um time holandês preparado para se fechar.

A tática dos holandeses sob o comando do técnico Louis van Gaal tem sido amplamente discutida no período preparatório para o Mundial depois que ele optou por desistir do tradicional esquema 4-3-3 em prol de um jogo mais fechado em 5-3-2, após ter perdido o principal meia Kevin Strootman devido a uma persistente lesão.   Continuação...

 
Meio-campista espanhol Koke em coletiva de imprensa em Curitiba, antes do começo da Copa do Mundo. 11/6/2014  REUTERS/Henry Romero