Polícia e manifestantes entram em confronto em SP antes da abertura do Mundial

quinta-feira, 12 de junho de 2014 17:06 BRT
 

Por Marcelo Teixeira

SÃO PAULO (Reuters) - Um confronto entre policiais e manifestantes que tentavam bloquear a principal via de acesso à Arena Corinthians, palco da abertura da Copa do Mundo nesta quinta-feira, deixou ao menos cinco pessoas feridas, incluindo jornalistas, e provocou o fechamento de estações de metrô e do comércio horas antes do jogo inaugural.

A alguns quilômetros de distância, no entanto, torcedores chegavam em clima de festa ao estádio na zona leste da capital paulista para assistir ao jogo Brasil e Croácia, tentando deixar de lado os incidentes violentos. [ID:nL2N0OT144]

A Polícia Militar usou bombas de efeito moral para dispersar o protesto perto da estação de metrô Carrão e manifestantes lançaram pedras, atearam fogo a lixo na rua e depredaram placas de trânsito e calçadas.

Um grupo de cerca de 200 manifestantes, segundo a polícia, que se concentrou pela manhã perto do metrô Carrão, tinha como objetivo fechar a Radial Leste, que dá acesso ao estádio. A estação, a cerca de 10 quilômetros da Arena Corinthians, foi fechada devido ao protesto a pedido da polícia.

Um cordão de isolamento, com cerca de 300 policiais, foi montado para conter os manifestantes e impedir o acesso à Radial Leste.

Depois da primeira ação de repressão por volta das 10h, os manifestante se dispersaram e passaram a tentar invadir a avenida Radial Leste por vias alternativas, mas a PM alertou que não permitiria o acesso dos manifestantes ao local, na zona leste, e usou bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Um dos manifestantes, Valdemário Silveira, foi atingido por estilhaço de bomba de efeito moral. Segundo um porta-voz da PM, ao menos cinco pessoas ficaram feridas, mas um número exato somente deverá ser divulgado mais tarde.

De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, duas pessoas foram levadas para Hospital Municipal Dr. Cármino Caricchio.   Continuação...

 
Polícia lança bomba da gás lacrimogêneo contra manifestantes em São Paulo. 12/06/2014 REUTERS/Ricardo Moraes