Drogba, o atacante preferido entre professores de filosofia do Brasil

sábado, 14 de junho de 2014 20:45 BRT
 

RECIFE (Reuters) - Os brasileiros até podem estar vivendo uma onda de euforia com a sua principal estrela, Neymar, ainda mais depois de seus dois gols na partida de estreia da seleção, mas os professores de filosofia do país estão torcendo por um outro atacante de destaque: o marfinense Didier Drogba. 

"Eu comecei a torcer pela Costa do Marfim em 2006. Eu amo o jeito que Drogba joga, sua atitude em relação ao jogo", disse Luiz Nelson à Reuters do lado de fora do hotel da seleção africana em Recife, onde eles disputam a partida de estreia contra o Japão pelo Grupo C neste sábado. 

Carregando uma bandeira com os dizeres "Professores de Filosofia do Brasil apoiam a Costa do Marfim", Nelson saiu de sua casa em São Paulo e foi para Recife para ver Drogba em ação. 

Ele disse que apoiaria a equipe marfinense mesmo caso eles se encontrem com o Brasil nas quartas de final. 

O professor acrescentou que ele era um dos muitos brasileiros desiludidos com a corrupção no país, o que seria um dos motivos pelos quais ele torce para os africanos.

"Sempre que eles constróem uma estrada sobra dinheiro, e esse dinheiro desaparece", lamentou. 

Drogba, de 36 anos, é quase tão conhecido por seu trabalho de caridade quanto pelo seu faro de gol, mas Nelson ainda não conseguiu uma maneira de incluir o atacante em suas aulas de filosofia. 

"Nem sempre funciona colocar o futebol na filosofia", disse Nelson, ainda esperançoso em conhecer seu ídolo. 

(Por Philip O'Connor)