Espanhol vira segunda língua de Fortaleza no 4o dia de Copa

domingo, 15 de junho de 2014 21:35 BRT
 

Por Eduardo Simões

FORTALEZA (Reuters) - Com a presença das torcidas de México, Uruguai e Costa Rica, o espanhol parecia ser a segunda língua em Fortaleza para qualquer pessoa que caminhasse na orla das praias da capital cearense neste domingo.

A cidade, que recebe o segundo jogo da seleção brasileira na Copa do Mundo, terça-feira, contra os mexicanos, no Castelão, tem em suas origens uma ocupação estrangeira, a dos holandeses no Século 17, que construíram o forte que inspirou o nome da cidade, e agora cerca de 500 anos depois vive uma "invasão" muito mais amigável.

Uruguaios e costa-riquenhos se enfrentaram no sábado pelo Grupo D e a seleção norte-americana surpreendeu ao vencer por 3 x 1, na maior zebra do Mundial até aqui, batizada pela imprensa cearense de "Castelazo", numa referência ao Maracanazo imposto pelo Uruguai ao Brasil na final da Copa de 1950, a última organizada pelo Brasil.

"Chora, Uruguai!", provocava um grupo de brasileiros na praia de Iracema, local da Fifa Fan Fest na capital cearense, ao avistar uma dupla de torcedores com a camisa da "celeste".

Camisa, aliás, que era difícil de avistar nas ruas de Fortaleza. Embora muitos uruguaios ainda circulassem na capital cearense, a maioria preferia vestir as camisas de clubes do país, como Nacional e Peñarol.

A provocação dos brasileiros era uma "vingança" contra os uruguaios, que empunharam bandeiras do país em varandas de hotéis e cartazes com a frase "Maracanazo 2".

Em número menor do que os uruguaios, torcedores da Costa Rica também caminhavam orgulhosos com a camisa de sua seleção, a grande surpresa do Mundial até aqui, mas era a torcida mexicana que mais se destacava, depois é claro da brasileira, ainda em maioria.

Grupos e famílias inteiras de mexicanos usando a camisa da seleção do país podiam ser facilmente encontrados desde o aeroporto da cidade, até hotéis, ruas e bares da capital do Ceará.   Continuação...

 
Torcedores brasileiros e estrangeiros passeiam pelas ruas de Fortaleza. 12/6/2014.  REUTERS/Mike Blake