ANÁLISE-Dilma ganha impulso com bom começo da Copa do Mundo

terça-feira, 17 de junho de 2014 17:57 BRT
 

Por Brian Winter

SÃO PAULO (Reuters) - A organização da Copa do Mundo no Brasil está longe de ser perfeita, mas vem ocorrendo de forma muito mais tranquila do que muitos esperavam, aumentando as chances para a reeleição da presidente Dilma Rousseff em outubro.

Os preparativos para o torneio foram abalados por atrasos e gastos excessivos em estádios, e por inúmeros projetos de infra-estrutura inacabados.

A indignação pública sobre essas questões somada a uma economia fraca alimentaram protestos nas ruas e azedaram o humor geral dos brasileiros nos últimos meses.

Esses problemas não desapareceram de forma mágica quando o Brasil abriu a Copa com uma vitória sobre a Croácia na última quinta-feira. No entanto, os receios de grandes colapsos logísticos em estádios e aeroportos superlotados até agora têm sido infundados.

Protestos contra o governo eclodiram em várias cidades e alguns se tornaram violentos, mas a maioria reuniu apenas algumas centenas de pessoas e as manifestações parecem estar encolhendo a cada dia.

Dilma amarrou seu destino à Copa do Mundo, defendendo a realização do evento no país como uma oportunidade de mostrar o recente progresso econômico do Brasil para o mundo.

Um desastre poderia prejudicar significativamente suas chances de reeleição em outubro, especialmente num momento em que seu principal adversário está chegando mais perto da presidente nas pesquisas de intenção de voto.

Há ainda muitas chances para falhas antes da final da Copa no Rio de Janeiro em 13 de julho, mas todos os 12 estádios já foram testados e aparentemente superaram as baixas expectativas de brasileiros e dos cerca de 600 mil torcedores estrangeiros que estão no país.   Continuação...

 
A presidente Dilma Rousseff recebe a chanceler alemã, Angela Merkel, em Brasília, no domingo. 15/06/2014 REUTERS/Ueslei Marcelino