Eliminado e hostilizado, Diego Costa sofre no Maracanã por ser "espanhol"

quarta-feira, 18 de junho de 2014 18:16 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Diego Costa poderia até ser o centroavante titular da seleção brasileira na Copa do Mundo em casa, mas rejeitou a chance dada por Luiz Felipe Scolari e decidiu jogar pela Espanha, país que adotou como pátria apesar de ter nascido em Sergipe.

Ao ser vaiado e hostilizado em peso no Maracanã na partida desta quarta-feira em que a atual campeã Espanha foi eliminada do Mundial, com uma derrota para o Chile por 2 x 0, o jogador de 25 anos sofreu uma dura consequência pela escolha.

Os chilenos --que formaram a maioria dos mais de 74 mil torcedores no estádio-- colocaram pressão sobre o time espanhol antes mesmo do início da partida, com muitas vaias já no aquecimento.

A cada toque de Diego Costa na bola, o coro ganhava o ressonante apoio dos torcedores brasileiros, como já havia acontecido na estreia da Espanha na Copa, em Salvador, quando foi goleada por 5 x 1 pela Holanda.

Para piorar a situação do jogador, ele perdeu algumas boas chances de gol que o colocavam como destaque nos telões do Maracanã. Sua imagem gerava uma resposta instantânea da arquibancada com vaias e xingamentos.

O estádio foi abaixo num uníssono "uuuu" quando Diego foi substituído no segundo tempo.

Diego Costa, artilheiro do Atlético de Madri na excelente última temporada do time espanhol, poderia brigar com Fred por uma vaga no ataque titular da seleção brasileira na Copa se não tivesse rejeitado convocação de Felipão para dois amistosos no fim do ano passado.

Apesar de já ter entrado em campo pelo Brasil em outros amistosos no início de 2013, o atacante optou por defender a Espanha, país onde joga desde 2007, após ter saído do Brasil como um desconhecido e passado também pelo futebol de Portugal.   Continuação...

 
Jogador da seleção espanhola Diego Costa durante partida contra o Chile no Maracanã, Rio de Janeiro. 18/6/2014 REUTERS/Dylan Martinez