Fim do sonho espanhol abre caminho para novos talentos

quinta-feira, 19 de junho de 2014 12:41 BRT
 

Por Iain Rogers

(Reuters) - A letra pungente da canção "God", de John Lennon, captura bem como devem estar se sentindo alguns dos jogadores da geração de ouro da Espanha e o celebrado técnico Vicente del Bosque depois da eliminação chocante da Copa do Mundo na quarta-feira.

“O sonho acabou. O que posso dizer? O sonho acabou. Ontem.”

As palavras de Lennon, na música de 1970, referem-se em parte ao fim dos Beatles, um evento cataclísmico na história da música popular, e o fracasso da Espanha no Brasil por culpa das derrotas para Holanda e Chile em seus dois primeiros jogos na fase de grupos enviou ondas de choque semelhantes pela comunidade futebolística mundial.

Um período glorioso de seis anos na elite do esporte, que rendeu troféus europeus antes e depois da conquista da Copa, foi encerrado tristemente no Maracanã.

A capa do jornal esportivo Marca nesta quinta-feira diz simplesmente “O fim”, com uma foto de Andrés Iniesta, que marcou o gol da conquista do Mundial de 2010 na África do Sul, sozinho e desolado no campo.

Após o fracasso, o goleiro e capitão Iker Casillas, os meio-campistas Xavi e Xabi Alonso e os atacantes David Villa e Fernando Torres não devem vestir a camisa espanhola quando a seleção defender seu título europeu na França daqui a dois anos.

Já o futuro de Del Bosque, o arquiteto do sucesso na Copa e da vitória na Euro 2012, também é uma incógnita depois de ele dizer, na esteira do susto chileno, que vai ponderar sua permanência.

“Pedimos que as pessoas nos perdôem”, disse um Casillas penalizado, que cometeu uma série de erros nos dois jogos, à televisão espanhola.

“Mas todos devem saber que tentamos tudo para lhes dar alegria novamente, embora não tivesse que ser”, acrescentou o jogador de 33 anos e recordista de convocações na seleção.

 
Jogador espanhol Andrés Iniesta no campo durante partida contra Chile no Maracanã, Rio de Janeiro. 18/6/2014 REUTERS/Ricardo Moraes