Fifa investiga México por alegadas ofensas homofóbicas

quinta-feira, 19 de junho de 2014 16:16 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O México está sob investigação da Fifa por suspeitas de que torcedores da seleção do país dirigiram gritos homofóbicos contra o goleiro de Camarões Charles Itandje durante a partida entre as duas equipes na Copa do Mundo na sexta-feira.

A entidade que gerencia o futebol mundial informou que foi aberto um procedimento disciplinar contra o México por "conduta imprópria" durante a vitória por 1 x 0 sobre a equipe africana pelo Grupo A do Mundial.

Torcedores mexicanos tradicionalmente insultam o goleiro rival quando ele vai cobrar um tiro de meta, o que alguns grupos de defesa dos direitos dos gays afirma ser homofóbico.

O Fare, um grupo que faz campanha anti-discrimação, disse ter contatado a Fifa sobre quatro incidentes envolvendo racismo ou homofobia na Copa do Mundo, incluindo os gritos no jogo entre México e Camarões.

Uma porta-voz da Fifa disse que nenhum outro procedimento disciplinar foi aberto até o momento.

Piara Powar, diretor-executivo da Fare, disse que o grupo informou à Fifa sobre cartazes mostrando símbolos da extrema direita ou mensagens de torcedores da Croácia e da Rússia durante a Copa no Brasil.

Powar disse que o quarto incidente está relacionado aos mesmos gritos feitos por torcedores mexicanos na partida contra o Brasil, que foram copiados pelos torcedores do time da casa.

"Isso é algo que realmente sentimos que precisávamos chamar a atenção da Fifa", disse Powar.

 
Torcedores do México esperam por começo de partida contra Brasil, na Arena Castelão, em Fortaleza. 17/6/2014 REUTERS/Mike Blake/Pool