20 de Junho de 2014 / às 20:35 / 3 anos atrás

Futebol da Colômbia finalmente conquista esperado destaque

BRASÍLIA (Reuters) - Já classificada para as oitavas de final da Copa do Mundo e com duas vitórias em dois jogos, a Colômbia finalmente parece ter se livrado de seu rótulo de excentricidade e está sendo reconhecida, em vez disso, por seu bom futebol.

As campanhas anteriores da Colômbia na Copa do Mundo foram uma mistura de tragédia e comédia dramática, que ofuscaram o próprio futebol.

A Colômbia tinha um jogo limpo, com posse de bola nos anos 1990, muito antes de qualquer um mencionar o termo “tiki-taka”, mas, mesmo assim, a geração de Carlos Valderrama tende a ser lembrada por cortes de cabelo exóticos e excentricidades de goleiros, em vez de seu futebol de qualidade.

Sua campanha de 1990 terminou quando o peculiar goleiro René Higuita, em uma das jogadas fracassadas mais famosas de todas as Copas, perdeu a bola enquanto tentava driblar o atacante camaronês Roger Milla no meio de campo.

O atacante veterano aceitou o presente, roubou a bola e a mandou para dentro de um gol vazio, correndo para fazer sua famosa comemoração com a badeira de escanteio.

Higuita era famoso por se aventurar no meio de campo e também envolveu-se em outros incidentes menos divulgados em clubes de futebol. Ele marcou alguns gols espetaculares de falta e fez seu impressionante e único “chute de escorpião” contra a Inglaterra em Wembley.

Quatro anos depois, a Colômbia chegou à Copa nos Estados Unidos em meio a grandes expectativas, após uma vitória de 5 x 0 contra a Argentina nas eliminatórias, mas o resultado foi uma eliminação na primeira fase e uma tragédia.

Pouco após retornar para casa, o zagueiro Andrés Escobar, que marcou gol contra na derrota por 2 x 1 perante os EUA, foi morto a tiros em um estacionamento em Medellín.

A Colômbia também se classificou em 1998, mas um time já mais velho conseguiu marcar apenas um gol e vencer uma partida, sendo eliminada novamente na primeira fase, após o ídolo Faustino Asprilla ter sido enviado para casa mais cedo por criticar as táticas da equipe.

No meio de tanto drama, ficou esquecido que a Colômbia, com uma geração de craques como Valderrama, Asprilla, o lânguido Freddy Rincón e o veloz Adolfo Valencia, frequentemente jogava um bom futebol.

Na corrida para a Copa de 1994, eles perderam apenas uma vez em 34 partidas e tornaram a Colômbia em uma força respeitável no continente sul-americano. Eles ainda são reverenciados em seu país.

“A memória dessa geração é algo que não podemos apagar”, disse o técnico José Pekerman após a vitória por 2 a 1 sobre a Costa do Marfim, na quinta-feira.

“Não vamos nos empolgar e achar que vamos além deles. Ainda temos o jogo contra o Japão para se preocupar”, acrescentou o técnico de 64 anos.

Após 1998, a Colômbia foi de um extremo ao outro, adotando um jogo excessivamente defensivo, e fracassou em se qualificar para três Copas do Mundo seguidas.

Mas, como outros países sul-americanos, eles já estavam investindo em tempo e esforços para o desenvolvimento de jovens jogadores. Eles sediaram um mundial sub-20 em 2011 com grande sucesso e venceram o sul-americano sub-20 dois anos depois.

Eles foram recompensados com uma nova geração de talentosos jogadores que foram cuidadosamente desenvolvidos por Pekerman, ele mesmo campeão de torneios sub-20 com sua nativa Argentina.

“Desde que chegamos no Brasil, tivemos a ideia de uma boa Copa do Mundo, para deixar uma boa imagem e responder às pessoas que acreditaram nesse time.”

Por Brian Homewood

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below