Irritado, Felipão rebate acusação de benefício da Fifa ao Brasil

domingo, 22 de junho de 2014 21:34 BRT
 

Por Pedro Fonseca

BRASÍLIA (Reuters) - Sem citar nominalmente, mas referindo-se de forma clara ao treinador da Holanda, Louis Van Gaal, o técnico Luiz Felipe Scolari criticou duramente neste domingo o colega de profissão por ter sugerido que a Fifa beneficiou a seleção brasileira com a agenda de jogos da última rodada da primeira fase da Copa do Mundo.

O Brasil vai enfrentar Camarões, em Brasília, na segunda-feira, já sabendo qual adversário terá pela frente nas oitavas de final do Mundial se avançar em primeiro ou em segundo do grupo, o que levou Van Gaal a afirmar que a Fifa não estava sendo justa.

Embora o Brasil tenha jogado antes da Holanda nas duas primeiras rodadas, a seleção brasileira jogará depois dos holandeses na segunda-feira. Na próxima fase, o líder do Grupo A enfrenta o segundo colocado do Grupo B no próximo sábado, enquanto o vencedor do Grupo B enfrenta o segundo do Grupo A no próximo domingo.

Em entrevista coletiva neste domingo, Felipão recusou-se a comentar sobre o possível adversário do Brasil no mata-mata alegando que a seleção ainda não está classificada e antes precisa ao menos de um empate com Camarões para não depender do resultado de México x Croácia. E criticou o holandês indiretamente pelas declarações.

"Algumas pessoas se manifestam não sabendo, dizendo que a gente vai escolher adversário. Ou são burras ou mal-intencionadas", disse Felipão, repetindo "burras ou mal- intencionadas", para reforçar a afirmação.

"Nós temos que jogar para classificar, não temos que escolher ninguém. E os horários foram escolhidos pela Fifa", acrescentou. "Eu não tenho que escolher, tenho que jogar e ganhar. Estou conhecendo as pessoas, principalmente por aquilo que o Rivaldo me falava."

O ex-jogador Rivaldo, que foi campeão do mundo em 2002 com a seleção brasileira sob comando de Felipão, teve problemas com o holandês Van Gaal quando ambos estavam no Barcelona.

Felipão disse ainda que afirmar que o Brasil poderia escolher o adversário das oitavas de final era dar "ênfase a uma pessoa que está fazendo bobagem" e um "absurdo, um desrespeito com Camarões".   Continuação...

 
Técnico do Brasil, Felipão, concede entrevista em Brasília.   REUTERS/Ueslei Marcelino