Portugal evita fazer análises e diz sair da Copa de "cabeça erguida"

sexta-feira, 27 de junho de 2014 15:30 BRT
 

Por Brian Homewood

BRASÍLIA (Reuters) - Os jogadores de Portugal não estão com humor para fazer análises profundas de suas falhas na Copa do Mundo, à medida que se preparam para voltar para casa, preferindo seguir a linha de clichês e obviedades de que fizeram o melhor que pudiam e deixaram o torneio de cabeça erguida.

Os comentários dos portugueses após a eliminação foram tão opacos quando seu futebol em campo, à medida que tentavam explicar sua desclassificação na fase de grupos após uma derrota de 4 x 0 para a Alemanha, um empate em 2 x 2 contra os Estados Unidos e uma vitória de 2 x 1 sobre Gana.

"Isso é futebol. Estou orgulhoso de todos os jogadores, do pessoal técnico e dos diretores. Vamos continuar trabalhando", disse o defensor Bruno Alves à imprensa portuguesa. "Tenho orgulho de ser português", acrescentou.

Cristiano Ronaldo, que não mostrou na Copa futebol de melhor jogador do ano, usou um dos clichês favoritos do futebol português em uma sucinta análise da atuação do time após a vitória de 2 x 1 sobre Gana.

"Isso é futebol, estamos saindo com nossas cabeças erguidas", disse. "Tentamos nosso melhor e não fomos bem sucedidos".

Nani conseguiu uma variação um pouco melhor, dizendo que "nossa meta era sair com nossas cabeças erguidas".

O meia Ruben Amorim escolheu outro clichê entre os mais notáveis, aquele que, em linhas gerais, diz que é "hora de olhar para frente".

"Não tivemos uma boa Copa do Mundo, estamos cientes disso, mas encerramos com uma vitória", disse ele. "Não foi suficiente, mas agora é hora de levantar nossas cabeças e olhar para o futuro".

Jogadores portugueses são mestres na arte de poucas palavras, e suas repostas em coletivas de imprensa durante a Copa do Mundo foram tão deslocadas e repetitivas que eles foram taxados de desdenhosos.

 
Cristiano Ronaldo durante partida do Grupo G da Copa do Mundo entre Portugal e Gana. 26/06/2014  REUTERS/Jorge Silva