Mordida e punição de Suárez roubam a cena na primeira fase da Copa

sexta-feira, 27 de junho de 2014 19:22 BRT
 

Por Peter Rutherford

SÃO PAULO (Reuters) - Por 13 gloriosos dias uma sensação de bem-estar dominou a atmosfera da Copa do Mundo no Brasil, com o futebol fluindo, uma enxurrada de gols e torcedores festejando o retorno do esporte a sua casa espiritual. Então veio Luis Suárez.

A partir do momento em que o polêmico atacante uruguaio afundou os dentes no ombro do zagueiro italiano Giorgio Chiellini, todos os golaços e comemorações festivas da fase de grupos ficaram como pano de fundo, ofuscados pela mordida e a punição por nove jogos.

Suárez também recebeu uma suspensão de quatro meses de qualquer atividade relacionada ao futebol e foi multado em 100 mil francos suíços (112 mil dólares), com a Fifa pesando a mão sobre o jogador que antes já havia sido punido com duas longas suspensões por morder adversários.

“Tal comportamento não pode ser tolerado em qualquer campo de futebol, e especialmente em uma Copa do Mundo da Fifa, quando os olhos de milhões de pessoas estão sobre os astros em campo”, disse a entidade máxima do futebol.

A suspensão, uma punição recorde em todas as Copas do Mundo, deixou o torneio sem uma de suas maiores estrelas e o Uruguai sem sua arma mortal antes do duelo com uma Colômbia, que vem embalada. E ele vai fazer falta.

Suárez ficou de fora da estreia do Uruguai com derrota para a Costa Rica, mas retornou para marcar duas vezes e praticamente eliminar a Inglaterra do torneio antes da vitória sobre a Itália e despachar a “azurra” para casa, garantido a vaga uruguaia nas oitavas.

A Copa do Mundo sem dúvida vai ficar mais sem graça sem ele, mas não vão faltar nomes ilustres loucos para assumir o lugar sob os holofotes deixado vago pelo uruguaio.

Neymar era o nome dominante na boca de todo brasileiro antes da Copa do Mundo e ele fez jus à fama, terminando a primeira fase como um dos artilheiros da competição e liderando o Brasil a caminho da segunda fase.   Continuação...

 
Italiano Chiellini mostra o ombro mordido por Luis Suárez. 24/06/2014   REUTERS/Tony Gentile