Brasil encara Chile em ascensão e disposto a mudar história

sexta-feira, 27 de junho de 2014 19:43 BRT
 

Por Tatiana Ramil

BELO HORIZONTE (Reuters) - A seleção brasileira entrará em campo no Mineirão no sábado com o apoio da torcida e um histórico bastante favorável contra o Chile em Copas do Mundo, mas consciente de que o rival evoluiu e quer fazer história em solo brasileiro.

"Penso que desde a chegada do Jorge (Sampaoli, técnico do Chile), a equipe teve uma nova dinâmica, uma performance muito melhor. Os jogadores foram adaptados ao sistema que ele acha o melhor e a equipe produziu de tal forma que está num patamar acima do que estava", disse o técnico Luiz Felipe Scolari em entrevista coletiva no Mineirão nesta sexta-feira.

O argentino Sampaoli assumiu a seleção chilena em dezembro de 2012. Fã das táticas de seu compatriota Marcelo Bielsa, ele impôs ao time um estilo dinâmico, que pressiona a saída de bola dos adversários. Neste Mundial, o Chile impressionou ao vencer a atual campeã mundial Espanha por 2 x 0 e eliminá-la do torneio.

Felipão, no entanto, não está disposto a mudar o esquema de jogo do Brasil.

"A gente vai montar nossa equipe de acordo com nosso padrão de jogo, naquilo que queremos... se der certo ou errado, teremos alternativas", disse o treinador brasileiro, alertando que pode mudar seu sistema durante a partida.

Segundo Felipão, não apenas ele, mas os jogadores "podem discutir" o esquema que o Brasil coloca em campo, e o técnico descartou usar a baixa estatura chilena como arma a seu favor, porque é "preciso ter tempo de bola, e eles têm um tempo de bola muito bom".

Na última vez em que Brasil e Chile se encontraram, os brasileiros sofreram para vencer os chilenos por 2 x 1, num amistoso em Toronto em novembro do ano passado, com um gol de Robinho no final da partida.

A partida de sábado, no Mineirão, promete ser equilibrada e tensa, com os chilenos apostando em sua velocidade e jogo coletivo.   Continuação...

 
Marcelo durante treino da seleção brasileira em Belo Horizonte. 27/06/2014 REUTERS/Toru Hanai