Jogadores chilenos entraram para a história, diz técnico Sampaoli

sábado, 28 de junho de 2014 18:04 BRT
 

Por Luis Ampuero

BELO HORIZONTE (Reuters) - A seleção chilena entrou para a história do futebol de seu país pela entrega e a qualidade para se equiparar às grandes potenciais mundiais, disse o técnico Jorge Sampaoli depois que a equipe foi eliminada da Copa do Mundo pelo Brasil nos pênaltis, neste sábado.

O Brasil, classificado para as quartas de final, venceu por 3 x 2 na disputa de pênaltis depois de empatar com o Chile em 1 x 1 ao longo dos 90 minutos regulamentares e dos 30 de prorrogação. A partida foi realizada no estádio Mineirão, em Belo Horizonte.

"Os jogadores entraram para a história do futebol chileno. Vidal estava 40 por cento, podia sofrer lesões graves. (Gary) Medel tinha uma distensão muscular de 8 milímetros e mesmo assim quis jogar pelo seu país", afirmou Sampaoli em entrevista coletiva.

"Podemos avaliar que nos equiparamos às grandes potências com quem jogamos, como Espanha, Holanda e Brasil, sendo protagonistas em vez de desempenhar papel de coadjuvantes. Não classificamos porque são as coisas do futebol. Disputa de pênaltis é algo mais fortuito do que qualquer outra coisa", acrescentou.

No último minuto da prorrogação, o Chile poderia ter ficado com a vitória se não fosse o travessão que salvou o Brasil num chute do atacante Pinilla, quando o goleiro Julio Cesar já parecia totalmente vencido.

Já na disputa de pênaltis, a cobrança de Jara acertou a trave esquerda e consolidou a classificação do Brasil. 

"Se não fosse a fatalidade da trave no final, poderia ter sido uma tarde para a história. A dor que sentimos agora temos que valorizar, porque jogamos desta forma contra a equipe da casa e candidata ao título", disse Sampaoli.

Sobre o desempenho do Chile na partida, Sampaoli destacou que o plano de jogo foi cumprido e que o Brasil não jogou da maneira como se esperava.    Continuação...

 
Medel conversa com técnico Sampaoli em partida do Chile contra o Brasil em Belo Horizonte. 28/06/2014 REUTERS/Eric Gaillard