Seleção chilena é recebida por Bachelet e aclamada ao chegar em casa

domingo, 29 de junho de 2014 20:14 BRT
 

SANTIAGO (Reuters) - Os jogadores da seleção chilena de futebol chegaram neste domingo a Santiago em meio ao fervor de milhares de torcedores, recebidos como verdadeiros heróis, após serem eliminados pelo Brasil em uma partida dramática decidida nos pênaltis pelas oitavas de final da Copa do Mundo.

A seleção chilena, que empatou com o Brasil por 1 x 1 e levou o jogo à prorrogação caindo nos pênaltis por 3 x 2, saiu de Belo Horizonte - onde estava concentrada -  em um voo fretado para Santiago, onde foi recebida pela presidente Michelle Bachelet no palácio presidencial.

"É verdade, ontem não ganhamos mas empreendemos uma briga de grande ... São um exemplo de força e de garra. Jogamos de igual para igual e isso nos deixa tremendamente orgulhosos", disse Bachelet aos jogadores no salão azul da sede presidencial.

Centenas de fanáticos da "roja" esperaram no aeroporto por horas pela chegada da equipe, que pela segunda Copa seguida foi eliminada pelo Brasil nas oitavas de final. 

Com bandeiras, cânticos, e cartazes os torcedores ovacionaram na parte externa do aeroporto aquela que é considerada uma das melhores gerações de jogadores da história do país. 

"Eles nos enchem de orgulho. Merecem esta recepção. Somos campeões igualmente, eles deram garra e coração", disse um dos torcedores no terminal aéreo. 

A seleção, liderada por seu capitão Claudio Bravo e pelas estrelas Alexis Sánchez, Arturo Vidal e Gary Medel, se dirigiu do aeroporto internacional de Santiago até o palácio presidencial, enquanto milhares de torcedores prestavam homenagens nas ruas da capital. 

Bachelet havia marcado uma visita oficial para os Estados Unidos e viajaria na noite de sábado, mas decidiu atrasar seu voo para receber a seleção que conseguiu produzir uma dramática e tensa partida contra o Brasil e que foi elogiada por todo o mundo. 

"Eles jogaram com valentia e rebeldia. Queremos destacar isso ao recebê-los como eles merecem, como guerreiros e heróis. Eles mediram forças e brigaram de igual para igual com os melhores do mundo", disse a ministra do Esporte, Natalia Riffo.    Continuação...