30 de Junho de 2014 / às 14:53 / 3 anos atrás

Argentina deve aprimorar jogo e conter suíço Shaqiri para avançar

Técnico da Argentina, Alejandro Sabella, durante treino em Vespasiano, perto de Belo Horizonte. 27/06/2014. REUTERS/Sergio Perez

SÃO PAULO (Reuters) - A seleção argentina tentará fazer os ajustes finais no time na terça-feira, quando irá medir forças nas oitavas de final da Copa do Mundo com a Suíça, adversário rápido e inquieto no ataque mas que, assim como a Argentina, sofreu muito na defesa.

A Argentina vai em busca de sua quarta vitória seguida no torneio após uma passagem eficiente, mas às vezes vacilante, pelo Grupo F. Para consegui-lo precisa que seus atacantes melhorem o desempenho da primeira fase para aumentar o poder de fogo que até agora dependeu de sua estrela Lionel Messi.

A defesa suíça terá muito trabalho para conter Messi, que soma quatro gols no Mundial, à frente de uma Argentina que certamente jogará com seu esquema clássico de 4-3-3, mas com a presença de Ezequiel Lavezzi acompanhando o atacante do Barcelona e Gonzalo Higuaín.

Lavezzi deve jogar no lugar do lesionado Aguero, e sua entrada pode ajudar na recuperação da bola no campo adversário para dar mais equilíbrio à equipe do técnico Alejandro Sabella, algo de que não tinha carecido até o momento.

“É fato conhecido que, se você jogar com este esquema (4-3-3, nós atacantes) temos que ajudar. Às vezes é complicado voltar. Do lado de fora se vê mais fácil, mas a hora, o calor, o vaivém com este esquema às vezes é difícil”, explicou Higuaín em uma coletiva de imprensa na sexta-feira.

“Esse compromisso e vontade dos atacantes vai ajudar bastante os meio-campistas”, acrescentou.

A Suíça deve tomar um cuidado especial com Messi, já que o atacante marcou uma trinca de gols na vitória de 3 x 1 sobre os suíços em um amistoso de 2012.

“Estamos nos preparando assim como para o restante das partidas. Mas é claro que será difícil controlar totalmente Messi”, sublinhou o goleiro suíço, Diego Benaglio.

Mas a zaga argentina também terá que se precaver, já que precisa controlar o endiabrado Xherdan Shaqiri, de 22 anos, que também marcou uma trinca de gols no êxito de 3 x 0 sobre Honduras, resultado que garantiu a vaga de seu combinado nas oitavas de final.

Os suíços tentarão vencer a Argentina pela primeira vez em sete embates para chegar às quartas de final, fase à qual não avançam desde que organizaram o Mundial de 1954.

“Obviamente eles são os favoritos, e nós não temos nada a perder e tudo a ganhar”, declarou o técnico Ottmar Hitzfeld em uma entrevista no site da federação suíça de futebol (www.football.ch).

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below