Colômbia tem respeito e não medo do Brasil, diz meia Sánchez

segunda-feira, 30 de junho de 2014 18:39 BRT
 

Por Camila Ramírez

SÃO PAULO (Reuters) - A seleção da Colômbia respeita o Brasil, mas não sente medo, porque tem as armas necessárias para causar perigo e avançar para as semifinais do Mundial, disse nesta segunda-feira o meia Carlos Sánchez, que assegurou que os donos da casa não devem ser subestimados e que são mais do que Neymar.

A seleção colombiana classificou-se às quartas de final depois de derrotar o Uruguai por 2 x 0, ao passo que o Brasil avançou de maneira dramática após derrotar o Chile nos pênaltis, no sábado.

"Medo não, respeito sim, porque é Brasil, por ser a seleção anfitriã, pelos jogadores e o corpo técnico. O Brasil está aqui porque conseguiu resultados, pode ser que não tenha agradado muita gente, mas chegou aqui", afirmou a jornalistas o meia de 28 anos.

"Vamos analisar o Brasil, suas forças e suas debilidades, mas sabemos que podemos trazer perigo para qualquer equipe e que se fizermos o que temos feito, podemos causar perigo porque temos as armas para vencê-los", acrescentou.

Sánchez afirmou que, embora o Brasil não tenha mostrado seu melhor desempenho neste Mundial, tem jogadores excelentes em todo o campo que podem fazer a diferença.

O jogador, um dos mais regulares da equipe comandada pelo técnico argentino José Pekerman, disse que a Colômbia continuará com o que tem sido feito.

"Tem dado resultado... não teríamos que mudar nada, só tomar umas prevenções necessárias, mas com a mesma ideia de jogo, embora cada partida seja diferente", disse.

Para Sánchez, o Brasil é mais do que sua estrela Neymar.

"Neymar é uma estrela no mundo, mas creio que seja uma falta de respeito falar apenas dele quando o Brasil tem muitas estrelas", concluiu.

 
Carlos Sánchez, da seleção da Colômbia, durante treino em Cuiabá. 30/06/2014. REUTERS/Eric Gaillard