2 de Julho de 2014 / às 19:53 / em 3 anos

Última coisa que a gente busca é dar show, diz Neymar

Neymar sorri durante entrevista nesta quarta-feira. REUTERS/Marcelo Regua

TERESÓPOLIS Rio de Janeiro (Reuters) - Após quatro partidas sem brilhar na Copa do Mundo, a seleção brasileira vai continuar jogando um futebol pragmático, e o atacante Neymar alertou nesta quarta-feira que a última coisa que o time quer é dar show.

“Nosso comprometimento é muito grande. Às vezes não é só festa, não é só 5 x 0, 4 x 0. O futebol hoje está muito igualado, muito difícil, e o time que se compromete mais, acaba vencendo, então é por isso que a gente chegou até aqui”, disse Neymar em entrevista coletiva na Granja Comary, em Teresópolis (RJ), antes de embarcar para Fortaleza, onde o Brasil enfrenta a Colômbia, na sexta-feira, pelas quartas de final.

“Eu não quero dar show, a última coisa que a gente busca é dar show. A gente está aqui para vencer. Se tiver que só defender e ganhar o jogo de meio a zero, a gente vai ganhar. Não importa se a gente não vai dar chapéu, não vai dar caneta, se não vai fazer todo mundo rir. A gente não está aqui para isso, a gente está aqui para vencer”, completou.

O Brasil tornou-se um dos principais candidatos ao título após vencer a Copa das Confederações, no ano passado, de forma categórica, com cinco vitórias seguidas, incluindo os 3 x 0 na final contra a Espanha.

Mas no Mundial os brasileiros não estão conseguindo impor o mesmo estilo de jogo, com marcação sob pressão nos adversários e gols no começo das partidas. Até agora foram duas vitórias e dois empates e a classificação para as quartas de final só aconteceu nos pênaltis diante do Chile.

Neymar, que sofreu pancadas na coxa e no joelho na partida contra o Chile, no sábado, disse que está recuperado e se prepara para uma guerra contra a Colômbia.

“Treino é jogo para mim e jogo é guerra. Todo jogo para mim trato como guerra”, afirmou o atacante brasileiro. “Será outra guerra, outro jogo difícil e temos que estar ligados para fazer mais e melhor.”

A Colômbia é uma das sensações da Copa do Mundo com 100 por cento de aproveitamento e um futebol vistoso. A equipe tem ainda o artilheiro da competição e candidato a craque do Mundial, James Rodríguez, de 22 anos, assim como Neymar.

“Já sabia que ele era um grande jogador e vem demonstrando seu talento na Copa do Mundo”, afirmou Neymar.

Todas as oito seleções nas quartas de final da Copa do Mundo se classificaram em primeiro lugar em seus grupos e entre elas estão campeãs mundiais como Brasil, França, Alemanha e Argentina, mas também surpresas como a Costa Rica, e times que nunca ganharam Mundial como Holanda, Bélgica e a própria Colômbia.

Para Neymar, a forma como grandes seleções se classificaram para a reta final do Mundial--cinco dos oito confrontos foram para a prorrogação-- comprova a dificuldade do torneio.

EMOCIONAL

Depois da classificação dramática diante do Chile, a seleção brasileira está bem emocionalmente, segundo o atacante Neymar, que recomendou a todos os brasileiros acompanhamento psicológico para ficar de bem com a vida.

Devido à reação dos jogadores após a partida no Mineirão, na qual muitos choraram, a comissão técnica do Brasil convocou a psicóloga Regina Brandão para ir à Granja Comary na terça-feira. Foi a segunda visita dela ao grupo na Copa do Mundo.

“Quanto ao emocional, ninguém tem problema aqui. Está todo mundo bem, foi um jogo emocionante e houve muita emoção”, disse o atacante brasileiro, que mostrou frieza na cobrança de pênaltis contra o Chile, mas depois desabou em lágrimas.

Outros jogadores do Brasil tiveram reações diferentes. O goleiro Julio Cesar, apontado como um dos responsáveis pela eliminação do Brasil em 2010, chorou antes da disputa por pênaltis e o capitão Thiago Silva, se isolou após afirmar que estava sem confiança para bater a penalidade.

“Cada um tem a sua emoção e estamos preparados para pegar a Colômbia”, afirmou Neymar. “Não foi o choro que nos deu confiança mas a vitória; foi difícil.”

Regina Brandão afirmou que além do contato direto com os jogadores do Brasil nas idas à Granja tem trocado permanentemente mensagens eletrônicas e emails com os atletas. Neymar não só gostou como recomendou a todos um acompanhamento psicológico.

“Nunca tinha feito nada desse tipo e estou gostando bastante. Não só a gente do esporte que precisa da psicologia; dou dica para vocês fazerem porque faz bem para a vida, o cara sai mais tranquilo e mais leve. Estou aprendendo muito nesse quesito”, afirmou.

Com reportagem adicional de Tatiana Ramil em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below