França e Alemanha deixam trabalho e política de lado para assistir ao jogo

sexta-feira, 4 de julho de 2014 11:59 BRT
 

PARIS/BERLIM (Reuters) - As duas maiores economias da zona do euro reduziram o ritmo nesta sexta-feira, já que os trabalhadores na Alemanha e na França deram uma escapada de seus turnos ou providenciaram televisões no local de trabalho para assistir à partida na Copa do Mundo nas quartas-de-final entre seus países.

A política também desacelerou, e os socialistas no poder na França até pediram que a sessão do Senado do dia fosse reduzida para terminar às 18 horas (13 horas no Brasil) - em tempo para o início da partida - para atender a senadores ansiosos por acompanhar o jogo ao vivo.

"É melhor do que ter os senadores assistindo em seus tablets durante a sessão ou escapando continuamente para ver trechos do jogo", disse uma porta-voz do partido. "Isso só mostra que os senadores são homens comuns."

Na Alemanha, a gigante automobilística Volkswagen cancelou o turno da tarde para 4.000 funcionários em sua principal fábrica, na cidade de Wolfsburg, no norte. Um porta-voz da companhia disse que acordos semelhantes seriam feitos em outras fábricas.

A farmacêutica Bayer adotou uma outra solução que visa manter o negócio funcionando durante as duas horas de programação.

"Nós estamos optando por flexibilidade", explicou um porta-voz. "Então, os funcionários podem trocar seus turnos com outros menos interessados ​​em futebol ou - com a aprovação de um gerente - tirar uma folga para descontar das férias ou de folgas".

Surpreendendo muitos, a França avançou para as quartas-de-final na Copa do Mundo para encontrar seu maior desafio até o momento, a Alemanha, que lhe impôs dolorosas derrotas nas semifinais em 1982 e 1986.

MERKEL   Continuação...

 
Em Berlim, garota espera começo de partida entre França e Alemanha pelas quartas de final da Copa do Mundo. 4/7/2014. REUTERS/Steffi Loos