Fifa nega ter dito a árbitros para evitar cartões amarelos

segunda-feira, 7 de julho de 2014 16:11 BRT
 

Por Brian Homewood

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Fifa rejeitou a alegação de um jornal alemão de que árbitros da Copa do Mundo foram instruídos a evitar mostrar cartões amarelos a jogadores.

O tabloide Bild relatou nesta segunda-feira que havia um "acordo secreto" para limitar o número de cartões, e os juízes que não aderissem a ele não seriam selecionados para outros jogos no torneio.

O jornal questionou se essa alegada política foi parcialmente responsável pela lesão sofrida pelo atacante brasileiro Neymar na partida entre Brasil e Colômbia pelas quartas de final, na última sexta-feira, na qual foram feitas 54 faltas mas foram mostrados apenas quatro cartões amarelos.

Neymar fraturou uma vértebra após uma joelhada em suas costas dada pelo colombiano Juan Camilo Zúñiga no segundo tempo, e não poderá mais jogar o resto do torneio devido à lesão.

"Você pode questionar e criticar os juízes, mas esse não é meu ponto. Dizer que por trás disso há um plano, para fazer o jogo mais dinâmico e mais espetacular... é algo que não podemos aceitar", disse o porta-voz da Fifa Walter de Gregorio a repórteres. "É totalmente inaceitável."

"Isso é importante porque afeta o cerne do nosso negócio", acrescentou.

"Proteger os pincipais atores (jogadores) é a coisa mais importante que temos de fazer. É apenas um tabloide alemão, mas já repercutiu em alguns jornais no Brasil."

"Os jogadores são os principais atores, se Neymar não estiver jogando na semifinal e na final, isso não é bom para a Fifa."

 
Árbitro espanhol Carlos Velasco dá cartão amarelo a Thiago Silva durante partida entre Brasil e Colômbia em Fortaleza. 04/07/2014. REUTERS/Jorge Silva