9 de Julho de 2014 / às 00:32 / em 3 anos

Atual safra do futebol alemão amadurece na Copa

Jogadores da Alemanha comemoram classificação à final da Copa do Mundo. 08/07/2014. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BELO HORIZONTE (Reuters) - É preciso anos para um bom vinho amadurecer, e a seleção da Alemanha que demoliu o Brasil por 7 x 1 na atordoante semifinal desta terça-feira se tornou uma safra rara – graças à mistura certa do técnico Joachim Loew.

Em um dia que abalou o mundo do futebol, Loew, à frente do time desde 2006, conseguiu a combinação certa de jogadores, destilando o que sem dúvida é a melhor seleção alemã em décadas.

Ele tinha chegado pelo menos à semifinal em seus quatro torneios no comando, mas sempre pareceu carecer de algum ingrediente que faria os alemães darem o derradeiro passo para pôr fim a uma espera de 18 anos por um grande troféu.

Nesta terça-feira, a Alemanha soube preservar todos os atributos que tanto encantaram no time jovem e exuberante da Copa de 2010 e que caiu na penúltima etapa, mas o imbuiu com a dose certa de maturidade conquistada em batalha.

“O que conquistamos e o que podemos fazer é algo especial”, disse o zagueiro central Mats Hummels. “Obviamente vamos fazer tudo que pudermos para realizar o grande sonho que ainda temos.”

O esquadrão varreu os anfitriões em um primeiro tempo de pasmar, que incluiu quatro gols em seis minutos, deixando dezenas de milhares de brasileiros mudos no Mineirão.

Milhões em todo o país também ficaram chocados em um dia que irá sobreviver na memória coletiva pelos motivos errados.

A escalação da Alemanha teve sete dos jogadores que atuaram na derrota de 1 x 0 para a Espanha na semifinal de quatro anos atrás, e outros dois estavam no banco.

Em 2010 foi a equipe alemã mais jovem em 76 anos que rendeu manchetes, e nesta terça-feira foi uma de suas melhores da história.

A parceria de Bastian Schweinsteiger e Sami Khedira no meio-campo, que brilhou tanto na África do Sul, foi plenamente restaurada, atuando impecavelmente e com a experiência adicional de quatro anos jogando futebol de primeira linha.

O capitão Philipp Lahm mais uma vez jogou em seu papel familiar como lateral direito e eliminou qualquer ameaça de Hulk. Na lateral esquerda, Benedikt Hoewedes coroou seu melhor desempenho detendo qualquer avanço de Bernard, substituto de Neymar.

Os zagueiros Mats Hummels e Jerome Boateng chegaram à sua melhor forma na hora certa após quatro anos de tentativas para encontrar a combinação certa no coração da defesa.

Loew também soube usar o atacante Miroslav Klose, que fez seu 16º gol em uma Copa e superou o recorde do brasileiro Ronaldo.

Logo atrás dele, Thomas Mueller, Mesut Ozil e Toni Kroos fizeram estragos na zaga brasileira, e o goleiro Manuel Neuer fez três defesas incríveis, contendo qualquer ameaça de reação do rival apesar do gol de consolação de Oscar.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below