Brasil não pode continuar "exportando" jogadores, diz Dilma à CNN

quinta-feira, 10 de julho de 2014 18:22 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff defende o país pare de "exportar" jogadores de futebol, em entrevista à CNN exibida nesta quinta-feira, dois dias após a histórica derrota da seleção brasileira na semifinal da Copa do Mundo contra a Alemanha por 7 x 1.

Para a presidente, essa seria uma forma de "renovar" o futebol brasileiro.

"Eu queria dizer que o Brasil não pode mais continuar exportando jogador. Exportar jogador significa não ter a maior atração para os estádios ficarem cheios", afirmou, na entrevista.

"Renovar o futebol brasileiro é perceber que um país, com essa paixão pelo futebol, tem todo o direito de ter seus jogadores aqui e não tê-los exportados."

As declarações da presidente ocorrem em um momento em que diversas autoridades fazem análises e palpitam sobre a situação do esporte no país.

Mais cedo, nesta quinta, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, defendeu que o Estado aproxime-se novamente do futebol, provendo recursos e estruturas de forma mais ativa. O ministro afirmou ainda que o esporte está nas mãos de dirigentes e empresários e isso precisa ser modificado.

Ao ser questionada sobre o que dirá à chanceler alemã Angela Merkel sobre a derrota do Brasil para a Alemanha em casa, Dilma disse que irá cumprimentá-la.

"Quando você perde, você tem de cumprimentar o adversário. Não é uma guerra, é um jogo", declarou. "Então eu vou cumprimentar a Angela Merkel e dizer para a chanceler que o time dela jogou muito bem. E ela esteja de parabéns."

Dilma disse ainda que a derrota de terça-feira, que tirou o Brasil da final, não elimina as vitórias anteriores da seleção e nem a boa execução do Mundial de Futebol.   Continuação...