Lesões durante jogos do Mundial caem 40%, diz Fifa

sexta-feira, 11 de julho de 2014 20:38 BRT
 

By Mike Collett-White

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Não será um consolo para Neymar e outros jogadores lesionados na Copa do Mundo, mas houve uma redução de 40 por cento no número tanto de graves lesões quanto de contusões menores no torneio deste ano em relação aos anteriores, disse a Fifa nesta sexta-feira.

Os motivos para isso, segundo o comitê médico da Fifa, é o fato de haver menos contato entre os jogadores do que nos outros campeonatos, e sanções mais duras por faltas que ocasionam lesões.

Um total de 95 lesões foram registradas na competição até agora, sete delas "severas", incluindo uma vértebra quebrada do atacante brasileiro Neymar e a perna fraturada do defensor mexicano Hector Moreno.

Lesões são consideradas "severas" se elas afastam o jogador por quatro semanas ou mais.

Em um comunicado nesta sexta-feira, Jiri Dvorak, chefe da equipe médica da Fifa, disse que "o comitê médico acredita que há menos contato e faltas, mais punições por faltas que causam lesões, e contínuas melhoras de árbitros a partir de 1990 em termos de educação e fair play".

Estatisticamente falando, segundo ele, "em 1998 e 2002 houve 2,7 lesões por jogo, e agora esse número caiu para 1,6".

O chefe de arbitragem da Fifa, Massimo Busacca, disse que a redução deu-se graças a uma abordagem mais flexível dos juízes das partidas, e da cooperação dos jogadores.

"Temos bastante cooperação e respeito dos jogadores", disse ele a repórteres. "Em geral, tivemos bastante respeito, e é essa a mensagem que temos que dar ao mundo."

"Em alguns jogos, podemos ter deixado de dar alguns cartões, mas não por que houve instrução para isso", disse ele.

"Você não pode ser um policial e dar cartões vermelhos e amarelos o tempo todo, você pode reduzir as faltas com comunicação", disse ele, referindo-se ao faltoso jogo entre Brasil e Colômbia nas quartas de final, o mesmo que teve o episódio no qual o defensor colombiano acertou uma joelhada nas costas de Neymar.