14 de Julho de 2014 / às 00:18 / 3 anos atrás

Goetze recupera prestígio na Alemanha ao marcar gol do título

Jogador Mario Goetze chuta e marca gol da vitória da Alemanha sobre a Argentina no Maracanã. 13/7/2014. REUTERS/Kai Pfaffenbach

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Quando a Alemanha massacrou o Brasil por 7 x 1 e Miroslav Klose se tornou o maior artilheiro das Copas, certamente ninguém cobraria que Mario Goetze animasse a torcida do banco de reservas.

Após chegar ao Brasil como titular da seleção, ele assistiu à semifinal das laterais, uma vez que foi descartado já no início do torneio e substituído por Klose.

Goetze começou no banco novamente na final deste domingo, e com poucas esperanças de atuar – compreensivelmente, o técnico Joachim Loew colocou fé no combinado que chegou à decisão com tanto estilo.

Mas Loew o chamou para substituir Klose a dois minutos do final do tempo regulamentar, e ele o recompensou da maneira mais espetacular fazendo um gol brilhante a sete minutos do final da prorrogação, derrotando a Argentina por 1 x 0 e garantindo o quarto título mundial de seu país e primeiro desde 1990 – dois anos depois de ter nascido.

O também reserva André Schuerrle ultrapassou uma defesa argentina exausta pela esquerda e achou Goetze na área. O jogador de 22 anos matou o cruzamento no peito e chutou de primeira, fora do alcance do goleiro argentino, Sergio Romero.

Alguns meses atrás, a carreira de Goetze estava ascendendo. Depois de ajudar o Borussia Dortmund a conquistar dois títulos alemães e chegar com seu clube à final da Liga dos Campeões de 2013, ele fez o que todos os grandes jogadores alemães parecem fazer. Assinou uma transferência de vulto com o

Bayern de Munique.

Uma dobradinha de troféus no Campeonato Alemão e na Copa da Alemanha veio em seguida e conquistou o técnico alemão Loew, que viu no jogador irrequieto uma versatilidade que lhe permite usá-lo como meio-campista e atacante isolado.

Uma vez no Brasil, ele estreou na vitória de 4 x 0 sobre Portugal e fez o primeiro gol no empate de 2 x 2 com Gana, mas foi substituído no jogo final do grupo contra os Estados Unidos.

Goetze voltou à escalação nas eliminatórias contra a Argélia, mas jogou mal e foi trocado no intervalo.

Com Klose bem estabelecido no time, ele teve que se contentar com mais uma entrada tardia na vitória das quartas de final sobre a França, e deve ter achado difícil de engolir quando especialistas elogiaram Loew por finalmente encontrar a escalação ideal.

Goetze deve ter ansiado para atuar quando a defesa brasileira se mostrou tão convidativa em Belo Horizonte, mas novamente foi Klose, apoiado por Thomas Mueller e Tony Kroos, quem marcou presença como atacante.

Os planos finais de Loew certamente foram atrapalhados pela perda de Sami Khedira antes da decisão, e ao se ver forçado a trocar seu substituto Christoph Kramer por Schuerrle depois de meia hora.

Mas ainda havia tempo para Goetze participar, e ele aproveitou a oportunidade, tornando-se o único reserva a marcar o gol da vitória em uma final de Copa do Mundo.

  (Reportagem adicional de Karolos Grohmann e Erik Kirschbaum)

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below