ANÁLISE-Elenco de qualidade garante a conquista da Alemanha

domingo, 13 de julho de 2014 22:13 BRT
 

Por Simon Evans

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A impressionante força do elenco da Alemanha se mostrou o fator decisivo na vitória de 1 x 0 sobre a Argentina na final da Copa do Mundo deste domingo, quando a Argentina sofreu por não ter a mágica de um apagado Lionel Messi em campo.

Foi um reserva, Mario Goetze, quem aplicou o golpe fatal para os alemães depois de entrar no lugar de Miroslav Klose. Em comparação, os outros atacantes da Argentina não deram conta do recado diante da atuação apagada de Messi.

O futebol internacional se tornou um jogo de 14 homens (11 titulares e três substituos), ainda mais quando a prorrogação o transforma em uma disputa de duas horas, e foi o banco da Alemanha que proporcionou o poder de fogo adicional para conquistar a vitória.

A Argentina chegou ao torneio descrita por muitos como uma seleção abundante de talentos no ataque, mas com uma zaga questionável –- mas durante a competição, e em especial na final, provou ser o exato oposto.

Os quatro zagueiros argentinos foram firmes e disciplinados todo o tempo, não permitiram nenhum gol nos 90 minutos em toda a fase mata-mata. Mas o ataque, mesmo tendo feito oito gols em sete jogos, não soube ser matador.

Metade dos oito gols foram de Messi, mas o jogador eleito quatro vezes como melhor do mundo não conferiu uma só vez depois da fase de grupos.

Já a Alemanha esteve à altura da fama de time com opções de qualidade em todo o plantel, e quando os reservas foram convocados pelo técnico Joachim Loew na final, fizeram a diferença.

Os problemas de Loew no domingo começaram antes do embate, quando o meio-campista Sami Khedira sofreu uma contusão na panturrilha no aquecimento e foi vetado do jogo.   Continuação...

 
Alemão Goetze comemora gol na final da Copa do Mundo. 13/07/2014 REUTERS/Dylan Martinez