Blatter lança dúvidas sobre planos da Rússia para Copa de 2018

segunda-feira, 14 de julho de 2014 17:29 BRT
 

Por Mike Collett

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, plantou uma inesperada semente de dúvida a respeito dos preparativos da Rússia para a Copa do Mundo de 2018, nesta segunda-feira, ao dizer que a entidade irá discutir a possibilidade de reduzir o número de estádios a serem usados daqui a quatro anos.

Dois dias depois de o ministro russo dos Esportes, Vitaly Mutko, detalhar à mídia o pano de fundo dos planos de seu país para o Mundial, que envolve 12 arenas em 11 cidades, Blatter insinuou que eles podem ser reexaminados.

“É um país futebolístico, mas faremos reuniões lá em setembro para ver se 12 é o número certo, e até se podem ser reduzidos para 10”, afirmou.

Seus comentários pegaram totalmente de surpresa Alexei Sorokin, executivo-chefe do Comitê Organizador Russo, que declarou aos repórteres: “É a primeira vez que ouço falar disso, não sabemos nada a respeito”.

Blatter, que fazia suas declarações finais à imprensa após a conquista da Alemanha na Copa do Mundo do Brasil, disse que uma delegação da Fifa irá visitar a Rússia para discutir os planos para o Mundial em setembro.

Blatter descreveu a Copa no Brasil como "muito, muito especial", dando-lhe uma nota 9,25, mas disse ter ficado chocado ao saber que a organização do torneio custou perto de 26 bilhões de reais.

“É óbvio que a Copa do Mundo assumiu uma tal dimensão que a organização é um trabalho duro para o país-sede, e também para a Fifa”, declarou.

“A Fifa está olhando para 2018 agora, e estamos discutindo qual é o número ideal para a organização, e como mantê-la de tal maneira que seja factível, razoável e controlável”.

“Não vamos chegar ao ponto no qual, como é caso de um, dois ou três estádios da África do Sul, se torne um problema o que fazer com esses estádios”, disse.

O presidente russo, Vladimir Putin, esteve no Rio para a decisão de domingo e conversou com Blatter.

 
Presidente russo, Vladimir Putin, e presidente da Fifa, Joseph Blatter, no Maracanã. 13/07/2014 REUTERS/Alexey Nikolsky/RIA Novosti/Kremlin