Dunga diz que só resultados superarão desconfiança na seleção e rejeição a ele

terça-feira, 22 de julho de 2014 15:04 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A conquista de bons resultados dentro de campo é a aposta do novo técnico da seleção brasileira, Dunga, para resgatar a confiança e a simpatia do torcedor, abaladas pelo vexame na Copa do Mundo, e, de quebra, superar a rejeição ao seu nome em sua segunda passagem pelo comando da equipe.

Dunga, que comandou a seleção entre 2006 e 2010 e fracassou nas quartas de final do Mundial da África do Sul com a derrota para a Holanda, disse saber que seu retorno ao comando da seleção não será fácil.

A equipe deixou uma péssima impressão ao sofrer uma humilhante derrota de 7 x 1 para a Alemanha na Copa do Mundo disputada em casa e ao perder a disputa de terceiro lugar para a Holanda por 3 x 0, resultado que levou à demissão do técnico Luiz Felipe Scolari, do coordenador Carlos Alberto Parreira e de toda a comissão técnica.

Para a missão de reformular a seleção brasileira, além de Dunga, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) já havia trazido o ex-goleiro Gilmar Rinaldi para o cargo de coordenador de seleções e mantido o técnico Alexandre Gallo como responsável pelas categorias de base. O restante da comissão técnica ainda não foi definido pela cúpula da CBF.

Paralelamente ao desafio de reformular a equipe, Dunga terá que superar uma barreira pessoal: a rejeição que cerca o seu nome quatro anos após ter deixado a seleção brasileira e, para isso, o treinador do Brasil elegeu o futebol de resultados nesse recomeço de trabalho como a tábua de salvação.

“O torcedor está machucado porque a seleção representa muito e tem carinho. Vamos reconquistar (o torcedor) com resultados e mostrar o quanto queremos fazer melhor”, disse Dunga em entrevista coletiva em que foi anunciado como sucessor de Felipão no comando da equipe.

Dunga citou mais de uma vez seus números em sua primeira passagem à frente da seleção, quando teve cerca de 76 por cento de aproveitamento, apesar de enquetes e pesquisas informais que mostraram rejeição de cerca de 80 por cento à sua recontratação.

"Tenho que buscar força e energia nos 20 por cento que estão a meu favor e com resultados vou ter que conquistar os demais", disse.   Continuação...

 
Dunga concede entrevista no Rio de Janeiro nesta terça-feira.  REUTERS/Ricardo Moraes