Dez anos depois, gregos têm pouco a comemorar por Olimpíada de Atenas

quinta-feira, 7 de agosto de 2014 11:00 BRT
 

Por Karolina Tagaris

ATENAS (Reuters) - Considerada uma chance de transformar a imagem da Grécia no exterior e impulsionar o crescimento, os Jogos Olímpicos de Atenas, 10 anos depois, dão poucos motivos para comemoração no país-sede e berço das Olimpíadas modernas.

Muitas das arenas olímpicas foram abandonadas, enquanto outras são utilizadas ocasionalmente para eventos não esportivos, como conferências e casamentos. 

No ex-centro olímpico de remo, na cidade de Maratona, que deu o nome à tradicional prova de corrida de rua, cachorros abandonados brincam entre o mato alto enquanto alguns jovens treinam na água. 

Pela cidade, o ex-centro de canoagem e caiaque secou, e arquibancadas inteiras foram arrancadas. 

Poucos dias antes do aniversário dos Jogos de 2004, realizados entre 13 e 29 de agosto, e em um momento no qual o Brasil se prepara para os Jogos Olímpicos do Rio em 2016, muitos questionam como a Grécia, um dos menores países a sediar as Olimpíadas, beneficiou-se desse evento multibilionário. 

Para os gregos, cheios de orgulho na época, os Jogos agora são uma fonte de frustração, à medida que o país luta contra uma recessão que já dura seis anos, com desemprego recorde, muitas famílias desalojadas e pobreza. 

O país tem tido dificuldades para gerar receita com essas arenas. 

“Celebrar o que?”, disse Eleni Goliou, que administra uma mercearia na capital. “Eles gastaram dinheiro que não tinham -nosso dinheiro, dinheiro do contribuinte- em uma grande festa. Você vê algum dinheiro de sobra para uma celebração?”, questionou.   Continuação...

 
Piscina da Vila Olímpica de Atenas acumula lixo. 25/07/2014 REUTERS/Yannis Behrakis