Cristiano Ronaldo questiona política de transferências do Real Madrid

segunda-feira, 1 de setembro de 2014 16:58 BRT
 

MADRI (Reuters) - Cristiano Ronaldo aparentemente fez uma crítica dirigida ao presidente do Real Madrid, Florentino Pérez, nesta segunda-feira, ao dizer que a política de transferências do clube provavelmente seria diferente se ele estivesse no comando.

Depois de conquistar seu décimo título europeu na temporada passada, ampliando um recorde anterior, com Ronaldo como artilheiro, o Real vendeu os meio-campistas Xabi Alonso e Ángel Di María e assinou com Toni Kroos e James Rodríguez.

A ida de Alonso para o Bayern de Munique, em particular, fez muitos se perguntarem se o clube espanhol terá qualidade e experiência suficientes no meio-campo sem ele.

O alarme soou quando o time perdeu de 4 x 2 para o Real Sociedad, no domingo, pelo Campeonato Espanhol, depois de abrir uma vantagem de dois gols, com Ronaldo contundido.

“Tenho uma opinião muito clara, mas nem sempre posso dizer o que penso”, disse o meia-atacante português em um evento promocional na cidade espanhola de Jerez quando indagado sobre as transferências recentes de seu clube.

“Senão, eu estaria na primeira página do jornal amanhã, e não quero isso. Mas, se estivesse no comando, talvez não tivesse feito as coisas dessa maneira”, acrescentou.

"Mas se o presidente acha que a melhor coisa para o time é comprar os jogadores que comprou e deixar outros partirem, temos que respeitar e apoiar suas decisões”.

Os comentários de Ronaldo não soarão bem ao magnata da construção Pérez, que gastou centenas de milhões de euros com jogadores famosos e transformou o Real no time mais rico do mundo em receita.

“Com os novos jogadores o estilo irá mudar, e pode mudar para melhor ou para pior”, afirmou o português, eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa em 2013.

"Di María e Xabi eram muito importantes para nós, mas não estão mais aqui e temos que ficar felizes com os novos. Tenho certeza de que tudo correrá bem para nós”, disse Ronaldo.

(Por Iain Rogers)

 
Cristiano Ronaldo em evento de premiação da Uefa em Mônaco. 28/08/2014  REUTERS/Eric Gaillard