Dunga escala time do Brasil com oito remanescentes da Copa do Mundo

terça-feira, 2 de setembro de 2014 19:44 BRT
 

(Reuters) - Preteridos pelo técnico Luiz Felipe Scolari na Copa do Mundo, o zagueiro Miranda e o lateral-esquerdo Filipe Luís treinaram entre os titulares na primeira atividade comandada nos Estados Unidos por Dunga, que manteve no time principal oito remanescentes do Mundial, enquanto o ataque foi formado por Diego Tardelli e Neymar, nesta terça-feira.

O Brasil enfrenta a Colômbia em amistoso na sexta-feira no retorno de Dunga à seleção brasileira. A partida também será o primeiro compromisso do Brasil depois da decepção no Mundial deste ano, quando levou a maior goleada de sua história, 7 x 1 para a Alemanha. No dia 9, a equipe encara o Equador.

Dos 11 jogadores que começaram como titulares na primeira atividade, Dunga escalou oito que estavam na Copa do Mundo: Jefferson, Maicon, David Luiz, Luiz Gustavo, Ramires, Oscar, Willian e Neymar.

Nas vagas que na Copa foram ocupadas por Thiago Silva, que não foi chamado por motivo de contusão, e de Marcelo, foram escolhidos Miranda e Filipe Luís.

“É um recomeço da seleção brasileira; penso em viver o momento. Estive muito perto da última Copa, mas isso é passado e quero demonstrar que mereço estar aqui”, disse Miranda a jornalistas.

“Thiago e David são dois grandes zagueiros e levam uma grande vantagem na seleção por jogar na mesma equipe”, completou ele sobre os atletas do Paris St Germain.

O goleiro Jefferson foi confirmado como o novo titular do gol brasileiro e Marcelo, chamado de última hora, ficou entre os reservas.

Remanescente do Mundial, Ramires, que também jogou em 2010 na África do Sul sob comando de Dunga, elogiou a volta do treinador à seleção brasileira.

“É um bom cara, um bom caráter, que ajuda e agrega bastante”, disse ele, que sabe que o recomeço da seleção brasileira será bem complicado após a Copa. “Foi um golpe duro; não tem como passar uma borracha, temos que ser humildes, trabalhar e voltar a vencer.”   Continuação...

 
Dunga durante entrevista no Rio em 22 de julho, quando foi anunciado como técnico do Brasil.  REUTERS/Ricardo Moraes