Fifa conclui inquérito de 350 páginas sobre Mundiais de 2018 e 2022

sexta-feira, 5 de setembro de 2014 13:36 BRT
 

BERNA Suíça (Reuters) - O investigador do comitê de ética da Fifa, Michael Garcia, concluiu sua investigação sobre os processos de candidatura para as Copas do Mundo de 2018 e 2022, cujas sedes escolhidas foram Rússia e Catar, respectivamente, e entregou seu relatório de 350 páginas, disse a entidade máxima do futebol mundial nesta sexta-feira.

A Fifa disse que, durante o curso da investigação de um ano, Garcia e seu vice, Cornel Borbely, entrevistaram "mais de 75 testemunhas e compilaram um arquivo que, somado às gravações de áudio das entrevistas, inclui mais de 200 mil páginas de material relevante."

O relatório, que não foi trazido a público, será submetido à comissão adjudicatória do comitê de ética, chefiada pelo juiz alemão Hans-Joachim Eckert, responsável por decidir sobre a ocorrência de contravenções.

A Fifa disse que não poderia comentar sobre quando Eckert chegaria a uma conclusão.

"O relatório apresenta descobertas factuais detalhadas; chega a conclusões acerca de ações adicionais a respeito de determinadas pessoas; identifica questões a serem encaminhadas a outros comitês da Fifa; e faz recomendações para futuros processos de candidatura", disse a Fifa em comunicado.

Os direitos de sediar os dois torneios foram concedidos ao mesmo tempo pelo comitê executivo da Fifa em 2010, durante cerimônia em Zurique.

A Fifa disse que membros dos comitês de todos os países que se candidataram para os Mundiais de 2018 e 2020 foram entrevistados nas investigações.

(Por Brian Homewood em Berna)

 
Michael Garcia, membro do Comitê de Ética da Fifa, em Zurique. 27/07/2012 REUTERS/Michael Buholzer