Di María diz que Real Madrid pressionou para que ele não jogasse final da Copa

sexta-feira, 5 de setembro de 2014 21:57 BRT
 

BUENOS AIRES (Reuters) - Angel Di María disse nesta sexta-feira que o Real Madrid pressionou para que ele não jogasse a final da Copa do Mundo pela seleção argentina, em outro capítulo amargo após sua saída da equipe espanhola.

Di María deixou o Real Madrid há poucos dias e foi contratado pelo Manchester United, acusado pelo clube espanhol de pedir um valor impossível de pagar para renovar seu contrato.

"Teve uma carta do Madrid que chegou as 11 da manhã do dia da partida, nós jogaríamos as 4 da tarde (...) Eu estava colocando gelo na perna para estar na final", disse Di María à rádio argentina América.

"A carta, quando me deram, rasguei, e não dei importância. Eu não me importava, mas foi decisão do (técnico) Alejandro (Sabella). Não queria colocar a ele nenhuma exigência, mas tampouco queria deixar a equipe com um a menos aos cinco minutos em uma partida muito importante", completou.

Di María sofreu uma lesão muscular no jogo das quartas de final contra a Bélgica e não voltou a jogar no torneio. A Alemanha sagrou-se campeã após derrotar a Argentina por 1 x 0 na final, em 13 de julho, no Maracanã.

"Sofri muito naquela manhã, foi o pior que me aconteceu na vida porque futebolisticamente chegar a outra final de Mundial é muito difícil, se não impossível", afirmou o meia-atacante do Manchester United.

"A carta foi entregue ao (falecido presidente da associação argentina) Julio (Grondona) e ele disse que se eu quisesse jogar, que jogasse. Pelo que entendo era algo de um seguro", acrescentou.

O argentino, que comandou a vitória da Argentina nesta semana por 4 x 2 sobre a Alemanha com um gol e três assistências, negou ainda que quisesse deixar o Real Madrid.

(Por Javier Leira)

 
Di María em jogo da Argentina contra a Alemanha na quarta-feira.          REUTERS/Kai Pfaffenbach