Dirigentes da Fifa são investigados por relógios dados pela CBF na Copa do Mundo

terça-feira, 16 de setembro de 2014 08:47 BRT
 

BERNA Suíça (Reuters) - A Fifa abriu investigação para determinar se houve infração do código de ética por parte de membros do comitê executivo da entidade que receberam relógios comemorativos de patrocinadores da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) durante a Copa do Mundo deste ano no Brasil.

"A CBF distribuiu relógios comemorativos na Copa do Mundo no Brasil de seus próprios patrocinadores (como parte das comemorações do centenário da entidade) para várias pessoas, incluindo os membros do comitê executivo da Fifa", disse a federação internacional em comunicado.

"O comitê de ética foi informado sobre isso apropriadamente em junho de 2014 e está lidando com o tema."

A Fifa disse que o presidente do comitê de ética da entidade, Michael Garcia, e o chefe do comitê de auditoria, Domenico Scala, já impediram membros do comitê executivo, assim como o presidente Joseph Blatter, de receberem relógios oferecidos pela Hublot, patrocinadora oficial da Fifa.

"Os dois presidentes (dos comitês de ética e auditoria) determinaram em junho de 2014 que isso não seria permitido pelas regras da organização e, sendo assim, ficou decidido não se distribuir relógios a nenhum membro", disse a Fifa.

"O fato é que a Fifa não distribuiu nenhum relógio a nenhum dos membros de seu comitê executivo nem a seu presidente nem a seu secretário-geral."

(Reportagem de Brian Homewood)

 
Michael Garcia, presidente do comitê de ética da Fifa, em entrevista coletiva na sede da Fifa, em Zurique. 27/07/2012 REUTERS/Michael Buholzer