Fórmula 1 revê proibição a mensagens de rádio após negociação com equipes

sexta-feira, 19 de setembro de 2014 11:38 BRT
 

Por Patrick Johnston

CINGAPURA (Reuters) - A Federação Internacional de Automobilismo (FIA) adiou para a próxima temporada a implantação de maior parte de uma proibição à comunicação entre pilotos e equipes da Fórmula 1 por meio de rádio e placas, após considerar, nesta sexta-feira, que seria cedo demais para as escuderias se adaptarem às novas restrições já no Grande Prêmio de Cingapura, neste fim de semana.

As equipes foram alertadas na semana passada que qualquer comunicação sobre a performance do carro via rádio e usando placas na linha de chegada seria considerada uma infração ao artigo 20.1 da regulação do esporte, passível de punição.

No entanto, horas antes do primeiro treino no circuito de rua artificialmente iluminado de Marina Bay, na sexta-feira à noite, a FIA anunciou que reviu seus planos.

"Mensagens sobre a performance do próprio piloto não serão permitidas, mas a esperada proibição sobre aquelas relacionadas à performance do carro agora será adiada até 2015, para dar às equipes mais tempo para se preparar", disse a entidade.

O diretor-geral da Fórmula 1, Bernie Eclestone, disse a repórteres na quinta que apoiava a decisão original e desejava menos conversas pelo rádio durante as corridas. Ele também sugeriu que mais restrições deveriam ser introduzidas no futuro.

"Eles dirigem os carros, deveriam saber o que é errado ou certo", disse ele. "Eles não precisam de alguém nos boxes dizendo a eles o que fazer."

A FIA disse ter se reunido com os 11 diretores das equipes e escolheu adiar a maior parte das mudanças até 2015, "devido à complexidade de introduzir tais proibições com curto aviso prévio e o potencial de efeitos significativamente diferentes entre as equipes."

 
Diretor técnico da Red Bull, Adrian Newey, conversa por rádio durante GP da Austrália de F1. 14/03/2014 REUTERS/Brandon Malone