Brasil já tem base forte para seleção olímpica, diz Gallo

terça-feira, 28 de outubro de 2014 17:57 BRST
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A menos de dois anos dos Jogos Olímpicos de 2016, o técnico da seleção brasileira olímpica, Alexandre Gallo, acredita que já tem uma base do time que buscará no Rio de Janeiro a inédita medalha de ouro olímpica no futebol.

Depois da Copa do Mundo, o técnico, que também é coordenador das categorias de base do Brasil, fortaleceu a preparação da equipe atualmente sub-21, com a disputa de amistosos em datas Fifa e outros jogos.

"Temos uma base e um grupo de atletas muito forte e igual. As escolhas serão uma dor de cabeça muito positiva e acho que vamos formatar um time muito legal”, afirmou Gallo a jornalistas nesta terça-feira.

O técnico cita nomes como os do goleiro Jacsson (Internacional), os laterais Fabinho (Mônaco) e Wendell (Bayer Leverkusen); os zagueiros Dória (Olympique de Marsellha), Wallace (Mônaco) e Marquinhos (PSG); os volantes Rodrigo Caio (São Paulo), Alisson (Santos) e Lucas Silva (Cruzeiro); além dos meias e atacantes Rafael Alcântara (Barcelona), Ademilson (São Paulo), Talisca (Benfica) e Thalles (Vasco).

“Essa seria uma equipe boa para iniciar a Olimpíada", declarou.

No entanto, Gallo fez questão de ressaltar que, apesar de ter uma base, nada impede que surjam surpresas.

“O futebol brasileiro é muito dinâmico. Temos que estar sempre observando e monitorando. Temos muitos bons valores”, disse.

Recentemente, o Brasil venceu amistosos internacionais contra Bolívia e Estados Unidos sub-23 e, no mês que vem, a seleção brasileira participará de um torneio internacional na China.

Por conta da reta final da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro, Gallo precisou mudar sua convocação original para a competição na Ásia. Ele chamou basicamente jogadores que atuam no exterior para não prejudicar os clubes brasileiros.

O técnico acredita que essa será uma boa oportunidade para observar alguns jogadores que estão mais distantes dos olhos da comissão técnica.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

 
Marquinhos comemora gol do Paris St Germain contra o Barcelona no Parc des Princes em 30 de setembro.   REUTERS/Benoit Tessier