Atacantes europeus não são tão bons quanto os sul-americanos, diz técnico do Arsenal

sábado, 1 de novembro de 2014 12:47 BRST
 

Por Tom Hayward

LONDRES (Reuters) - O técnico do Arsenal Arsène Wenger acredita que os centroavantes europeus não têm dado o melhor de si e que a maioria dos grandes goleadores do futebol mundial são os sul-americanos. 

O francês citou o desaparecimento do futebol de rua, que ainda é forte na América do Sul, como raiz da questão.

"Se você olhar por toda a Europa e o mundo do futebol, a América do Sul é o único continente que produz centroavantes hoje em dia", disse Wenger em entrevista coletiva. 

"Pelo menos 80 por cento deles vêm da América do Sul."

A tabela de artilharia da temporada atual do Campeonato Inglês é, de fato, dominada por sul-americanos, com quatro deles (o argentino Sergio Aguero, do Manchester City; o brasileiro naturalizado espanhol Diego Costa, do Chelsea; o chileno Alexis Sanchez, do Arsenal; e o argentino Leonardo Ulloa, do Leicester City) entre os sete principais goleadores. 

O sempre ofensivo Barcelona é liderado pelo trio sul-americano formado por Messi, argentino; Luis Suarez, uruguaio; e Neymar, brasileiro. O argentino Carlos Tevez, da Juventus, e o uruguaio Edinson Cavani, do Paris St. Germain, estão entre os principais atacantes das ligas de Itália e França respectivamente.

"Talvez em nosa história o futebol de rua tenha acabado", disse Wenger. "Jogando na rua, quando você tem 10 anos de idade e joga com os meninos de 15, então você tem que ser muito astuto, tem que mostrar que é bom, brigar, conquistar bolas impossíveis."

"Já quando o futebol é mais formalizado, se desenvolve menos nossas habilidades individuais e luta pela bola. Perdemos isso um pouco."

"Nos tornamos muito mais protegidos e as coisas ficaram mais fáceis. Se voltar 30, 40 anos na Inglaterra, a vida era muito mais dura."