Hamilton guia à vontade e amplia vantagem sobre Rosberg com vitória nos EUA

segunda-feira, 3 de novembro de 2014 08:43 BRST
 

Por Alan Baldwin

AUSTIN Texas (Reuters) - O pai de Lewis Hamilton sempre disse para ele "guiar como se tivesse roubado", mas nunca houve dúvidas sobre quem era o dono do Grande Prêmio dos Estados Unidos de Fórmula 1, no domingo.

O piloto da Mercedes não começou na pole, honra tirada dele pelo companheiro de equipe e concorrente na disputa pelo título Nico Rosberg no treino de sábado, mas o britânico sabia que algo especial estava acontecendo.

Hamilton se sente em casa nos Estados Unidos, onde costuma passar o tempo livre com a namorada cantora Nicole Scherzinger e amigos em Los Angeles, e venceu o primeiro grande prêmio no Circuit of the Americas, em 2012.

Ao receber a bandeira quadriculada em primeiro lugar pela 10ª vez na temporada, a quinta seguida, o líder do campeonato entrou para o livro dos recordes como o piloto britânico com o maior número de vitórias na F1 - seus 32 triunfos agora superam o campeão mundial de 1992, Nigel Mansell.

"Quando eu ultrapassei Nico, realmente passou a ser só controlar", disse Hamilton ao público em entrevista no pódio ao lado do campeão de 1978, Mario Andretti, o último piloto norte-americano a conquistar um título na F1.

Mais tarde, quando experimentou o chapéu preto de xerife de Andretti, ele disse a repórteres: "Antes da corrida tem muita coisa que você pode fazer para realmente entender quais oportunidades podem aparecer e em diferentes cenários, como você lida com isso, e eu me senti muito bem nisso, como tenho me sentido há algum tempo."

"Eu fui para a corrida acreditando que podia vencer", acrescentou.

"Não houve um momento na corrida em que eu tenha pensado que não poderia passar ele (Rosberg). Quando eu passei, como disse, eu pude relaxar por um segundo e realmente tentar cuidar dos pneus."

A manobra, quando aconteceu, foi na 24ª volta - um número adequado, já que a vitória o colocou com 24 pontos de vantagem sobre Rosberg, com duas corridas restando (Brasil e Abu Dhabi) e um máximo de 75 pontos em disputa.

Ainda pode acontecer de Hamilton terminar com 11 vitórias e sem título, já que as novas regras concedem pontos dobrados para a corrida final da temporada, mas no domingo ele não pensou em nada disso.

 
Piloto da Mercedes Lewis Hamilton após vencer o GP dos Estados Unidos de F1 no Texas. 02/11/2014  REUTERS/Adrees Latif