Associação de torcedores europeus critica Espanha por repressão aos 'ultras'

terça-feira, 9 de dezembro de 2014 13:12 BRST
 

MADRI (Reuters) - As principais torcidas organizadas da Europa criticaram a Espanha por causa de atitudes para reprimir as torcidas chamadas "ultras", consideradas abusivas e violentas, classificando as medidas como "míopes" e alertando sobre "consequências fatais".

O clubes do Campeonato Espanhol, as autoridades do futebol espanhol e o governo prometeram banir os ultras dos estádios e seus entornos, após um torcedor do Deportivo La Coruña ter sido morto em um aparente confronto entre torcidas organizadas perto do estádio do Atlético de Madri, antes de um jogo do Campeonato Espanhol, em 30 de novembro.

Além de proibir o acesso a grupos de ultras mais conhecidos, torcedores que cantem hinos ofensivos nos estádios também serão reprimidos.

A rede Torcedores de Futebol da Europa (TFE), que possui membros em 42 países, disse nesta terça-feira que as medidas afetariam também torcedores que não são violentos ou abusivos.

"Antes de tudo, há uma grande razão para duvidar que punições em massa atendam a princípios constitucionais", disse a TFE em seu site.

"Além do mais, e o que é ainda pior, essa medida também ameaça a grande maioria de jovens torcedores que estão organizados nesses grupos e nunca se comportaram de maneira violenta ou racista", acrescentou a entidade.

A TFE disse ser óbvio a recepção positiva pela mídia e o público de punições coletivas deturpadas, por serem uma resposta fácil à pressão pública.

"Por outro lado, no entanto, é um fato que eles não levam a uma redução a longo prazo da violência e/ou de problemas como racismo e discriminação no futebol espanhol, problemas que têm sido negligenciados por muitos anos", afirmou o TFE.

(Reportagem de Iain Rogers)