12 de Dezembro de 2014 / às 13:22 / 3 anos atrás

Parlamentares suíços aumentam vigilância sobre finanças de dirigentes esportivos

Presidente da Fifa, Joseph Blatter, em foto de arquivo. 10/11/2014Hannibal

BERNA (Reuters) - Legisladores suíços aprovaram nesta sexta-feira um projeto de lei que irá sujeitar dirigentes esportivos, como os chefes da Fifa e do Comitê Olímpico Internacional (COI), a uma vigilância financeira maior nos bancos do país.

A Suíça está reagindo a anos de alegações de corrupção com uma série de leis que se tornaram conhecidas como “Lex Fifa”, que objetivam aumentar a supervisão dos cerca de 60 organismos esportivos sediados em seu território.

Com 128 votos favoráveis e 62 contrários, os parlamentares suíços decidiram analisar um projeto de lei mais amplo concebido para combater a lavagem de dinheiro tomando por base as diretrizes estabelecidas pela Força Tarefa Financeira (FATF, na sigla em inglês), uma entidade intergovernamental.

    Agora, o projeto de lei afirma que Joseph Blatter, presidente da Fifa, e outros executivos do esporte, como o presidente do COI, Thomas Bach, devem ser tratados como “pessoas politicamente expostas” – um termo que oficiais de justiça empregam para definir aqueles que ocupam posições que podem ser usadas para lavar dinheiro.

Bach, que na segunda-feira obteve a aprovação de reformas no processo de seleção das sedes olímpicas, disse acolher as medidas “de braços abertos”.

O COI irá auditar suas contas de acordo com padrões mais elevados dos que os legalmente exigidos da organização, e ainda irá fornecer um relatório financeiro anual, incluindo a política de subsídios a membros do COI, declarou Bach.

A Fifa não estava acessível de imediato para comentar o projeto de lei, que agora será encaminhado ao governo suíço para ser inscrito na legislação.

Isso irá necessariamente aumentar a vigilância financeira sobre os dirigentes esportivos porque os bancos da Suíça têm a obrigação legal de garantir que seus fundos não têm origem suspeita antes de aceitá-los.

As diretrizes mais abrangentes sobre lavagem de dinheiro pretendem manter o país, que em maio declarou que irá abrir mão do sigilo bancário e se unir ao número crescente de países que concordam em compartilhar informações fiscais, fora das listas negras da FATF.

Os defensores da transparência declararam que as leis anti-lavagem de dinheiro da Suíça não vão longe o suficiente – por exemplo, não são exigidas grandes verificações em compras com dinheiro nas muitas lojas de artigos de luxo, nos marchands de arte e nos joalheiros presentes nas ruas de cidades como Genebra e Zurique.

Organismos esportivos como o COI e a Fifa desfrutam de privilégios na Suíça, pagando impostos muito menores do que empresas do setor privado por serem associações sem fins lucrativos. Esta situação legal coloca instituições como a Fifa, que teve uma receita de quase 1,4 bilhão de dólares no ano passado, em pé de igualdade com projetos comunitários, por exemplo.

Por Ruben Sprich, em Berna, e Katharina Bart e Caroline Copley, em Zurique

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below