27 de Janeiro de 2015 / às 21:39 / em 3 anos

Dunga prevê "dificuldade" para o Brasil nas eliminatórias

Técnico Dunga comanda Brasil em amistoso contra a Turquia. 12/11/2014. REUTERS/Murad Sezer

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Depois de um recomeço na seleção brasileira com vitórias em todos os seis amistosos disputados, o técnico Dunga acredita que a equipe terá um ano turbulento em 2015, com a disputa da Copa América no Chile e o início das eliminatórias para o Mundial da Rússia, em 2018.

“Eliminatória todo mundo conhece, vamos ter dificuldade como sempre tivemos nas eliminatórias, mas temos que estar preparados”, declarou Dunga a jornalistas nesta terça-feira.

“Não acredito que alguém vai esconder jogo na Copa América para surpreender nas eliminatórias. Vai ser difícil também”, completou o treinador, ao destacar que países como Colômbia, Equador, Chile e Paraguai evoluíram muito nos últimos anos.

Dunga voltou ao comando da seleção em julho, após o fracasso do Brasil na Copa do Mundo em casa e viu o time derrotar Equador, Colômbia, Argentina, Turquia, Áustria e Japão em amistosos.

“O futebol brasileiro sempre é muito competitivo, temos mais de 70 jogadores na Champions League; alguns jogadores que estiveram na Copa continuaram e passaram experiência e confiança para os mais novos”, afirmou ele, que havia comandado a seleção de 2006 a 2010, na sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

A entidade deve confirmar em breve um amistoso internacional, já que até agora só anunciou um compromisso com a França, em Paris, em março. “Até o fim da semana devemos anunciar os detalhes”, destacou o coordenador técnico Gilmar Rinaldi.

Recentemente, três jogadores que vinham sendo chamados para os amistosos da seleção se transferiram para o futebol do exterior e mercados menos tradicionais. Os atacantes Diego Tardelli e Ricardo Goulart foram para o futebol chinês e o meia Éverton Ribeiro seguiu para o mundo árabe. “No momento oportuno, quando tiver a convocação, vamos falar sobre isso”, afirmou Dunga.

NOVO PRESIDENTE

Eleito no ano passado para a presidência da CBF, o vice presidente da entidade Marco Polo Del Nero anunciou que assume o cargo em 16 de abril. Ele substituirá José Maria Marin, que poderá manter uma função na entidade.

“Esperamos fazer uma administração voltada para transparência, ética, disciplina e fair play. Tudo que for necessário para desenvolver o futebol brasileiro”, disse Del Nero a jornalistas.

O dirigente elogiou a iniciativa dos clubes de gradativamente aderirem ao fair play financeiro e cortarem os mega salários de atletas. “Acho que agora caiu a ficha deles; tem que trabalhar dentro da receita”, declarou ele.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below