Continue com as "canetas", diz técnico do Barça ao criticado Neymar

sábado, 31 de janeiro de 2015 12:56 BRST
 

Por Tim Hanlon

BARCELONA (Reuters) - O técnico do Barcelona, Luis Enrique, falou para Neymar continuar com seu estilo de jogo mesmo após o brasileiro ter recebido várias críticas por provocar os jogadores do Atlético de Madri com suas "canetas e conversinhas".

Juanfran e Fernando Torres discutiram com Neymar, autor de dois gols, no intervalo da vitória do Barça, no meio da semana, pelas quartas de final da Copa do Rei. O capitão Gabi Fernandez foi expulso após uma briga no túnel para o vestiário.

Ruben Cani, que saiu do banco do Atlético, disse depois do jogo "que um dia ele terá problemas por causa do seu estilo de jogo, das canetas e da conversinha".

Luis Enrique contra-atacou neste sábado, dizendo que não havia nada de errado com o comportamento do brasileiro.

“Você tem de considerar o jogador e a cultura de onde ele vem", disse o treinador do Barça a repórteres, antes da partida contra o Villarreal, no domingo, pelo Campeonato Espanhol.

"Os brasileiros parecem se divertir jogando futebol e é o mesmo para todos os jogadores brasileiros do clube. Nós vivemos em um país esquisito, onde as pessoas se sentem mais ofendidas por uma 'caneta' do que por uma falta perigosa."

“Tomara que ele possa ser lembrado como um grande jogador, e ele certamente está no time certo no momento para conseguir isso. Seria ótimo se isso acontecesse", declarou Luis Enrique.

"Lionel Messi é o melhor jogador do mundo e ele elevou o patamar a um ponto muito alto. Se você tirar o futebol e o samba, então um brasileiro não é mais um brasileiro."

O Barça está a um ponto atrás do líder Real Madrid no Espanhol e terá uma partida difícil contra o sexto colocado Villarreal, que está há 18 jogos seguidos sem perder.

"Eles tocam bem a bola, têm uma forte disciplina tática na defesa. Estão indo muito bem e vamos tentar interromper a série deles, embora seja difícil", disse Luis Enrique. "A chave é ter diferentes opções para jogar e não ser previsível", concluiu.