Violência fora de estádio de futebol no Cairo deixa 22 mortos

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015 08:55 BRST
 

Por Ahmed Maher e Mahmoud Mourad

CAIRO (Reuters) - Vinte e duas pessoas morreram do lado de fora de um estádio de futebol no Egito, no domingo, depois que as forças de segurança impediram a entrada de torcedores, informou a procuradoria.

A maioria dos mortos ficou sufocada quando a multidão saiu em correria depois que a polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar os torcedores que tentavam entrar a força na partida da liga egípcia entre dois times do Cario, Zamalek e Enppi, de acordo com médicos e testemunhas.

Jogos de futebol costumam ser foco de violência no Egito. Em fevereiro de 2012, 72 torcedores morreram durante uma partida em Port Said, e desde então o governo limitou o número de pessoas permitidas em cada partida. Em alguns casos, torcedores tentam invadir arenas em que não estão autorizados a entrar.

A relação entre as forças de segurança e as torcidas organizadas do Egito está marcada pela tensão desde o levante popular de 2011 que acabou com o regime do autocrata Hosni Mubarak, em que os torcedores de futebol tiveram um papel-chave nos protestos nas ruas.

A procuradoria determinou a prisão dos líderes do grupo de torcedores do Zamalek Cavaleiros Brancos após o incidente de domingo, de acordo com a mídia estatal.

Em sua página no Facebook, os Cavaleiros Brancos descreveram os 22 mortos como "mártires" e acusaram as forças de segurança de cometerem um "massacre".

Apesar da violência, a partida foi disputada e terminou com um empate de 1 x 1.

Depois do jogo, o governo anunciou em nota que o campeonato será suspenso por período indeterminado.

(Reportagem adicional de Mostafa Hashem, Ali Abdelati e Mohamed Abdellah)

 
Policiais e torcedores vistos atrás de cerca do lado de fora de estádio de futebol no Cairo. 08/02/2015 REUTERS/Jornal Al Youm Al Saabi