Combativo, Diego Costa diz que pode ser mais cuidadoso mas não mudará estilo

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015 21:00 BRT
 

LONDRES (Reuters) - O polêmico atacante do Chelsea Diego Costa não tem planos de mudar seu estilo de jogo baseado na força, mas ele admite que pode precisar ser mais cuidadoso no futuro para evitar outra suspensão.

O brasileiro naturalizado espanhol voltou de uma suspensão de três jogos por pisar no jogador do Liverpool Emre Can, em penalização aplicada após a revelação de imagens.

"Eu nunca vou mudar a maneira que jogo. Isso é o que me trouxe aqui, essa é a maneira que eu jogo", afirmou Costa, que negou que a pisada tenha sido de propósito, a jornalistas depois do treino desta semana para a final da Copa da Liga, no domingo, contra o Tottenham Hotspur.

O atacante troncudo é o artilheiro do Chelsea nesta temporada e, provavelmente, será titular em Wembley, mesmo que tenha ficado para trás na parte física devido à suspensão. "Eu estou um pouco atrás, tentando fazer o meu melhor, trabalhando duro e espero estar 100 por cento", declarou.

O técnico José Mourinho sugeriu que Diego Costa e seus companheiros de equipe são vítimas de uma campanha anti-Chelsea e, consequentemente, não estão sendo tratados de forma igual a jogadores de outras equipes.

"Agora eu sei que tenho que ser um pouco mais cuidadoso, porque não é o mesmo quando eu faço alguma coisa ou quando outro faz. Algo que eu faço é muito mais falado do que outro jogador. Tenho que ter cuidado extra", afirmou.

"Na última temporada eu tive algumas lesões e quando eu estava em plena forma, quando eu estava no meu melhor, eu tive a suspensão e ainda nem sei por que isso aconteceu."

Diego Costa já marcou 17 gols em 20 jogos pelo Chelsea depois de deixar o Atlético de Madri, mas todos em jogos do Campeonato Inglês, e não das copas.

"Eu não escolho torneios para marcar, ou rivais. Sou um atacante, a cada jogo eu quero marcar. Se isso não aconteceu na copa, Deus permita que aconteça no domingo", disse ele.

 
Diego Costa, do Chelsea, comemora gol durante jogo contra o Newcastle United, em Londres, em janeiro. 10/01/2015 REUTERS/Stefan Wermuth