ENTREVISTA-A 500 dias dos Jogos, Brasil aposta em preparação iniciada bem antes para alcançar "top 10"

terça-feira, 24 de março de 2015 11:22 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A exatos 500 dias do início Jogos Olímpicos de 2016 nesta terça-feira, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) aposta em uma preparação iniciada antes mesmo do encerramento da Olimpíada de Londres-2012 para buscar a meta de terminar no "top 10" do quadro de medalhas da competição realizada no Rio de Janeiro.

O COB projeta uma disputa do Brasil com ao menos 12 países para ficar em 9º ou 10º no total de medalhas ganhas nos Jogos, o que seria uma performance histórica para o país caso se concretize.

“É uma data simbólica, porém muito importante. É o início da nossa reta final de preparação. Quinhentos dias para a preparação de um atleta não é muito, é pouco e passa rápido”, disse à Reuters o superintendente executivo do COB, Marcus Vinícius Freire, à frente dos preparativos da delegação brasileira para o evento.

Com o maior orçamento já disponível para se preparar --700 milhões de reais no ciclo olímpico de quatro anos--, e uma delegação robusta de cerca de 450 atletas, o Brasil espera não só conseguir seu melhor desempenho numa edição dos Jogos, como também pavimentar caminho para ganhar uma visibilidade internacional inédita nos esportes olímpicos.

Para um país acostumado a contar nos dedos as medalhas conquistadas em cada edição dos Jogos, a ideia agora é dar um salto de qualidade e ampliar o número de modalidades com medalhas.

O objetivo do país é subir ao pódio em 13 esportes, de forma a alcançar ao menos 28 medalhas em 2016. Ao contrário do COI, que monta o quadro de medalhas a partir do número de ouros, a conta do COB é feita pelo total de pódios, independentemente da cor da medalha.

“Queremos no Rio ganhar medalhas em esportes que tradicionalmente ganhamos medalhas e, queremos criar novas possibilidades de pódio. Essa é a nossa estratégia”, afirmou Freire.

  Continuação...