Neymar, Suárez e Messi comandam goleada do Barcelona sobre Getafe

terça-feira, 28 de abril de 2015 17:31 BRT
 

BARCELONA (Reuters) - Os atacantes do Barcelona Lionel Messi, Luis Suárez e Neymar passaram de 100 gols na temporada e comandaram a goleada do líder do Campeonato Espanhol sobre o Getafe por 6 x 0, ampliando sua vantagem sobre o Real Madrid para cinco pontos nesta terça-feira.

Após Suárez ser derrubado dentro da área, Messi abriu o placar para o Barça em cobrança de pênalti aos nove minutos no Camp Nou, na primeira vez que ele tentou uma "cavadinha" em 75 penalidades pelo clube e seleção argentina.

Suárez fez 2 x 0 após passe de Messi aos 25 minutos e Neymar ampliou com um chute rasteiro três minutos depois, marcando o 100º gol do trio Messi, Suárez e Neymar, conhecido coletivamente na Espanha como "MSN", em todas as competições nesta temporada.

Messi tem 49, o uruguaio Suárez, cuja suspensão por morder um adversário acabou no final de outubro, tem 21, enquanto Neymar marcou 32 vezes.

O armador Xavi, fazendo sua 501ª partida na liga pelo time catalão, acertou um belo chute no canto superior aos 30 minutos e Suárez marcou o seu segundo gol cinco minutos antes do intervalo.

Foi a primeira vez que o Getafe, 13º colocado no torneio, sofreu cinco gols na primeira metade de um jogo do Campeonato Espanhol.

Messi ainda ampliou sua marca neste campeonato para 38 gols, um atrás do artilheiro Cristiano Ronaldo, do Real, com um chute no alto aos 2 minutos do segundo tempo, antes de o Getafe conseguir repelir os ataques rivais no restante da partida.

O Barça tem 84 pontos, com quatro partidas restantes na competição, enquanto o segundo colocado Real pode encurtar a vantagem de novo para dois pontos se vencer o seu jogo contra o Almeria na quarta-feira.

O atual campeão Atlético de Madri está sete pontos atrás do Real e enfrenta o Villarreal na quarta-feira.

(Reportagem de Iain Rogers)

 
Lionel Messi (esquerda) e Neymar, do Barcelona, comemoram gol de Xavi Hernandez contra o Getafe durante jogo no Camp Nou, em Barcelona, na Espanha, nesta terça-feira. 28/04/2015 REUTERS/Gustau Nacarino