Espanha aprova lei de comercialização conjunta de direitos do futebol na TV

quinta-feira, 30 de abril de 2015 18:42 BRT
 

MADRI (Reuters) - O governo espanhol anunciou nesta quinta-feira a aprovação de um decreto para a comercialização conjunta dos direitos de transmissão televisiva das principais competições de futebol no país a partir da temporada 2016/2017.

O decreto busca que, como é feito em outros países europeus, os clubes de futebol vendam conjuntamente os direitos de transmissão, o que irá beneficiar os clubes menores, que até agora receberam uma renda bem inferior ao de outras equipes como Real Madrid e Barcelona.

"Esta norma tem dois objetivos, estabelecer medidas para a comercialização dos direitos de futebol... E por outro lado os critérios para a distribuição da renda destes direitos entre os organizadores", disse a vice-presidente do governo espanhol, Soraya Sáenz de Santamaría.

Analistas calculam que os clubes vão obter coletivamente cerca de 1 bilhão de euros por temporada, contra os quase 800 milhões de euros atuais.

"Havia um enorme desequilíbrio de receitas entre os vários participantes, 45 por cento da receita era dividida entre quatro equipes", disse o ministro da Educação, Cultura e Esporte, José Ignacio Wert.

Com a nova legislação, embora a venda seja feita em conjunto, os clubes maiores continuarão a ter a maior parte da fatia do bolo.

A grande maioria das receitas, cerca de 90 por cento, de acordo com a mídia, vai para os clubes da primeira divisão.

Desse montante, 50 por cento das receitas serão repartidas igualmente entre todas as equipes da primeira divisão, enquanto que os 50 por cento restantes serão baseados em resultados esportivos e na "implantação social", que levará em conta questões como o número de sócios, bilheteria e outras receitas, o que seguirá beneficiando os grandes.

(Por Andrés González)

 
Xavi Hernandez (centro), do Barcelona, comemora gol contra o Getafe junto aos colegas Rafinha (esquerda) e Adriano durante jogo do Campeonato Espanhol em Barcelona, na Espanha. 28/04/2015 REUTERS/Gustau Nacarino