Equipe da BBC que investigava obras da Copa de 2022 no Catar é presa por invasão

segunda-feira, 18 de maio de 2015 12:05 BRT
 

DOHA (Reuters) - Uma equipe de televisão do canal britânico BBC foi detida no Catar e passou duas noites na prisão enquanto investigava as condições de vida de trabalhadores imigrantes que atuam nas obras para a Copa do Mundo de 2022, informou a emissora nesta segunda-feira.

No início de maio, o Estado do Golfo Pérsico organizou uma visita para jornalistas da Grã-Bretanha, de outras partes da Europa e do Oriente Médio para que examinassem as condições enfrentadas pelos operários, em meio a críticas internacionais de violações de direitos humanos no país-sede.

O escritório de mídia estatal do país afirmou que a equipe da BBC chegou a Doha antes da turnê agendada e decidiu realizar uma visita por conta própria a locais de construção, o que fez com que fosse presa por forças de segurança. A equipe incluía um repórter, um tradutor, um motorista e um operador de câmera.

“Eles invadiram propriedade particular, o que é contra a lei no Catar, assim como na maioria dos países. As forças de segurança foram chamadas e a a equipe da BBC foi detida”, informou o órgão.

A BBC disse em comunicado que saudava a libertação da equipe, mas que deplorava a detenção, acrescentando que está exigindo a devida explicação do Catar e a devolução do equipamento confiscado. “Sua presença no Catar não era segredo, e eles estavam realizando uma matéria jornalística perfeitamente adequada”, afirmou a emissora.

O Catar está envolvido em polêmicas desde 2010, quando conquistou o direito de sediar do Mundial de 2022. Os organizadores do país e a Fifa vêm rebatendo alegações de corrupção na votação, que negam. Pela primeira vez, o torneio, que costuma acontecer em meados do ano para coincidir com o verão europeu teve que ter a data modificada para novembro e dezembro por causa do calor sufocante de julho, o que pode atrapalhar os campeonatos nacionais.

(Por Amena Bakr)

 
Secretário-geral Hassan Al-Thawadi, do comitê organizador da Copa do Mundo de 2022, em frente à maquete de estádio Al-Khor. 21/06/2014 REUTERS/Mohammed Dabbous