Quatro em cada cinco torcedores não querem reeleição de Blatter, diz pesquisa

terça-feira, 26 de maio de 2015 16:46 BRT
 

ZURIQUE (Reuters) - Quatro em cada cinco torcedores de futebol acreditam que Joseph Blatter não deveria conquistar um quinto mandato como presidente da Fifa, de acordo com uma pesquisa realizada pela entidade anticorrupção Transparência Internacional.

A Transparência disse que 35.000 torcedores em 30 países foram entrevistados na pesquisa realizada com o Football Addicts, desenvolvedor sueco por trás do aplicativo Forza Football.

Blatter é o favorito para vencer a eleição de sexta-feira, em que o príncipe Ali Bin Al Hussein, da Jordânia, é o seu único adversário. As 209 associações vinculadas à entidade que controla o futebol mundial têm um voto cada.

Outros dois candidatos, o ex-jogador português Luis Figo e o presidente da federação holandesa, Michael van Praag, se retiraram da disputa na semana passada. A sondagem foi realizada quando todos os quatro ainda estavam competindo.

"A pesquisa foi feita para avaliar como os efeitos da corrupção e má governança na Fifa são percebidos pelos torcedores", disse a Transparência Internacional.

Em resposta à pergunta "Após escândalos de corrupção na Copa do Mundo, Joseph Blatter deveria ser de novo candidato a presidente da Fifa?", 83 por cento votaram "não".

A oposição a Blatter foi mais forte no Chile, onde 99 por cento dos entrevistados disseram que ele não deveria ser eleito, e em Portugal, com 97 por cento contrários. Catar, sede da Copa do Mundo de 2022, foi o menos hostil entre os países pesquisados, com 60 por cento dizendo que ele não deveria continuar.

Em resposta a outra pergunta, 69 por cento afirmaram que não tinham confiança na Fifa, 17 por cento disseram que sim e 14 por cento não sabiam.

A Transparência disse que Figo foi o candidato preferido com 59,1 por cento dos votos. Ele foi seguido por Van Praag (8,7), o príncipe Ali (5,3) e Blatter (2,2), enquanto 24,6 por cento não votariam em qualquer um desses candidatos.

 
Presidente da Fifa, Sepp Blatter, durante entrevista coletiva em Jerusalém. 19/05/2015 REUTERS/Ammar Awad