Blatter deve ser reeleito presidente da Fifa, apesar do escândalo de corrupção

sexta-feira, 29 de maio de 2015 08:27 BRT
 

Por Mike Collett e Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - O dirigente máximo do futebol mundial, Joseph Blatter, deve ser reeleito nesta sexta-feira, desafiando os crescentes apelos para que renuncie ao cargo em face dos escândalos de corrupção que assolam a federação internacional.

Dirigindo-se aos delegados da Fifa no Congresso anual da entidade na Suíça, onde será eleito o presidente mais tarde, Blatter prometeu mais transparência e instou os membros a permanecerem unidos.

O suíço também disse que a Fifa provavelmente não estaria enfrentando seus problemas atuais se a Rússia e o Catar não tivessem sido escolhidos para sediar as Copas do Mundo de 2018 e 2022, respectivamente.

"Hoje, eu estou apelando para a unidade e espírito de equipe para que possamos avançar juntos", disse ele, em um pronunciamento contido que contrastou com sua reação desafiante na quinta-feira.

Blatter também procurou se distanciar do escândalo, a maior crise enfrentada pela Fifa em seus 111 anos.

Autoridades norte-americanas acusaram de corrupção dirigentes da Fifa e executivos do esporte, enquanto a Suíça investiga separadamente a concessão das próximas Copas do Mundo para a Rússia e o Catar.

"Nós não podemos supervisionar todos o tempo todo. Temos 1,6 bilhão de pessoas direta ou indiretamente relacionadas ao nosso jogo", disse Blatter.

O dirigente lembrou que a Rússia e o Catar foram escolhidos juntos em 2010 e "se outros dois países tivessem emergido do envelope eu não acho que teríamos estes problemas hoje".   Continuação...

 
Presidente da Fifa, Joseph Blatter, durante Congresso da Fifa, em Zurique.  29/05/2015   REUTERS/Arnd Wiegmann